PJ Harvey, a profetiza do rock, pregou no Primavera

Depois do sonho pop de Brian Wilson, a artista britânica trouxe a realidade de volta ao Parque da Cidade.

Foi qual uma marcha militar que entrou em palco, acompanhada do seu ensamble de músicos, liderados por Mick Harvey e John Parish. Depois da celebração pop de Brian Wilson com o histórico Pet Sounds, num soalheiro fim de tarde, o concerto da cantora britânica foi como uma espécie de regresso à realidade sob o manto escuro da noite.

Numa verdadeira liturgia negra, inspirada no último Hope Six Demolition Project, um dos álbuns mais políticos do ano, PJ Harvey assumiu-se como uma profetiza rock, que através da música desperta consciências, com um concerto em crescendo, cada vez mais intenso.

Mas entre a mensagem há também espaço para a memória, porque o futuro é feito de momentos passados, o que no caso de PJ Harvey, significa mais de duas décadas de carreira, passadas em revista em temas como The Words that Maketh Murder, Down by The Walter ou To Bring You My Love.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.