Óscar de Kobe Bryant causa indignação

A atribuição do prémio de Melhor Curta-Metragem de Animação a Kobe Bryant está a causar indignação. Tudo porque em 2003 a antiga estrela da NBA foi acusada de assédio sexual

Receber um Óscar é sempre um momento de felicidade na vida de quem o recebe, mas a estatueta dourada de Melhor Curta-Metragem que o ex-basquetebolista Kobe Bryant recebeu no domingo está a gerar grande polémica.

Tudo porque em 2003 a antiga estrela da NBA foi acusada de assédio sexual. O caso foi agora recordado por vários internautas, que condenam a atribuição do prémio pela Academia.

No verão de 2003, uma empregada de um hotel no estado do Colorado apresentou queixa à polícia por, alegadamente, ter sido abusada sexualmente pelo antigo jogador dos Los Angeles Lakers.

Bryant chegou a ser detido, mas defendeu-se ao dizer que a relação sexual tinha sido consensual com a jovem, que na altura tinha 19 anos. Pediu, no entanto, desculpas à mulher, Vanessa, pelo sucedido e também à alegada vítima, através de um comunicado lido em tribunal.

O norte-americano acabou por ser ilibado, depois da empregada ter optado por não testemunhar em tribunal. Em 2005, Bryant, na altura jogador dos Lakers, e a jovem chegaram a acordo.

A reputação do antigo basquetebolista foi fortemente afetada pelo caso, tendo até perdido patrocínios. Agora o caso volta à ribalta com a atribuição do Óscar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".