Os letreiros desceram dos céus e das lojas. E podem ser apreciados como esculturas

Enquanto o MUDE está em obras, circula pela cidade de Lisboa. A mais recente exposição fora de portas reúne letreiros e reclames luminosos que foram recolhidos pelos designers gráficos Rita Múrias e Paulo Barata.

Rita Múrias e Paulo Barata começaram a empreitada de colecionar letreiros e reclames luminosos em 2014. Designers gráficos ambos, sabem como este material importa e começaram a vê-los desaparecer. "Tirávamos fotos e depois desapareciam", conta ela, enquanto se deambula pelo Convento da Trindade, no Chiado, onde estão expostos, até 18 de março, cerca de 70 exemplares da quase centena que possuem. Chamam-lhe Projeto Letreiro Galeria e ambicionam criar um museu para esta coleção.

O primeiro letreiro a chegar às mãos do casal foi o da Sapataria A Elite. Souberam que o dono se ia desfazer dele. Resgataram-no e descobriram nos arquivos da Câmara de Lisboa ser um trabalho do arquiteto Raul Tojal, como demonstra o projeto entregue na câmara que está na exposição.

A pesquisa levada a cabo por Rita Múrias, que entretanto está a fazer um doutoramento sobre o assunto na faculdade de Arquitetura, levou-a a descobrir que o arquiteto camarário se tinha enganado nome da sapataria, o que redundou numa troca de missivas com o proprietário. Informação adicional foi um dos requisitos da diretora do MUDE para a exposição Cidade Gráfica. Letreiros e Reclames de Lisboa no século XX . "O desafio que lhes coloquei como curadores foi o do contexto histórico". O museu franqueou as portas dos arquivos. "Quando começámos não sabíamos a riqueza do arquivo municipal de Lisboa", nota a diretora.

A exposição decorre fora do MUDE - Museu do Design e da Moda, enquanto decorrem as obras de reabilitação do edifício de Cristino da Silva rua Augusta, mas a escolha do Convento da Trindade, em parceria com a proprietária do imóvel, a Central de Cervejas, não foi ao acaso. A maioria destes objetos foi recolhida por Paulo Barata, aos sábados de manhã, alguns após muita conversa com os proprietários das lojas, em Lisboa. "A maioria é dali. Da Baixa, do Rossio, da Avenida da Liberdade", nota Bárbara Coutinho.

É uma cidade a desaparecer. Por razões de segurança, foram retirados os dos tetos, "expressão de uma cidade cosmopolita e moderna", como diz Bárbara Coutinho, depois os das lojas, "caros de manter", explica Rita Múrias.

"Um objetivo desta exposição era dar a conhecer uma área e uma expressão da cidade que ainda é pouco valorizada, essa parte gráfica que importa reconhecer", afirma a diretora ao DN. A segunda razão de ser da exposição é que "através dos letreiros, o MUDE pode tratar de uma expressão que permite avaliar e evolução da tipografia".

Para os designers gráficos, as famílias de letras foram um ponto de partida para a "arrumação" dos letreiros na exposição. Juntaram-nos por famílias de letra (itálica, manuscrita, com serifa e sem serifa...) e por época. No piso 1, os mais antigos: guarda-ventos das lojas e fachadas pintadas. Um lance de escadas mais e faz-se a homenagem à luz. Primeiro, explicando como funcionam por dentro, depois com os muitos exemplos que se espalham pelas salas: o da sapataria Rosa d"Ouro é anos 80 puro e estava na Amadora; BrilhaRio, o restaurante da Praça do Chile; o que pertence a um peep show, o geometrizado da loja Gracidini, na rua das Portas de Santo Antão, ou o gótico Diário de Notícias, da antiga livraria do Rossio, e, finalmente, o do Ritz. "O original", como diz Rita Múrias. Do final dos anos 50.

Através da empresa de reclames descobriram que as letras do hotel lisboeta iam ser substituídas por razões de segurança e que as antigas seriam destruídas. Conseguiram ficar com elas com a colaboração do próprio hotel. Ao lado, estão os projetos, à escala real com letras da palavra Ritz. Detalham a execução da letra luminosa, e encontram-se nos arquivos da Neolux. "Só vieram depois das letras terem chegado, porque seriam necessárias se alguma coisa corresse mal", conta Rita.

Houve perdas irreparáveis pelo caminho, assumem os colecionadores. Sem todas as licenças necessárias, a polícia parou a descida da palavra Morais na rua do Alecrim. Quando voltaram, já tinham desaparecido. A palavra Carrocel da pastelaria com o nome já tinha dono quando chegaram ao dono . Sobrou Charcutaria. Está na exposição.

Cidade Gráfica. Letreiros e Reclames de Lisboa no Século XX, faz parte do programa MUDE fora de Portas e pode ser vista até 18 de março de 2017 no Convento da Trindade (Rua Nova da Trindade, 20), em Lisboa. De terça a domingo, das 10.00 às 18.00. A entrada é livre.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)