Os Beatles chegaram ao Spotify há 100 dias. Quais as canções mais ouvidas em Portugal?

Sabe qual é o dia em que os portugueses ouvem mais Beatles no Spotify?

Foi um presente antecipado: os Beatles, uma das ausências mais sentidas no Spotify, chegaram ao serviço de streaming de música na véspera da Natal. Nos primeiros cem dias as músicas dos quatro de Liverpool foram ouvidas por mais de seis milhões e meio de pessoas e a soma de todas as canções tocadas dá qualquer coisa como 2,793 anos de escuta.

Os números foram avançados pelo Spotify para assinalar os primeiros 100 dias de Beatles e revelam alguns dados surpreendentes. Por exemplo, 67% dos ouvintes têm menos de 35 anos, ou seja, nasceram mais de dez anos depois do lançamento do último álbum e do fim da banda. Em Portugal, os maiores ouvintes de Beatles concentram-se na faixa etária dos 24- 35 anos.

Outro dado curioso: é às quintas-feiras que mais se escutam os Beatles em todo o Mundo, mas em Portugal o dia preferido é a quarta-feira. As cidades que mais ouvem os Fab Four também reservam surpresas: a Cidade do México é a primeira, à frente de Londres e de Santiago do Chile.

O top de álbuns mais ouvidos, no entanto, são semelhantes: o One, Abbey Road, The Beatles e Let it Be.

E aqui ficam as 10 canções preferidas dos portugueses nestes 100 dias:

1. Here Comes The Sun

2. Hey Jude

3. Yesterday

4. Blackbird

5. Twist And Shout

6. Let It Be

7. I Want To Hold Your Hand

8. Come Together

9. Help!

10. Ob-La-Di, Ob-La-Da

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.