O mesmo desopilanço 20 anos depois

"T2: Trainspotting" revisita em 2017 alguns dos sons que fizeram o sucesso do filme de 1996.

Vinte anos depois parece que nada mudou: Lust For Life abre a banda sonora de Trainspotting 2 (T2 para os amigos), mas tal como o filme a canção de Iggy Pop ganha uma nova roupa made in século XXI, numa remistura de Prodigy que acelera o desopilanço do tema original e dá o mote para esta nova coletânea de canções.

"Nostalgia: é por isso que estamos aqui, és um turista na tua própria juventude", atira Sick Boy, a personagem de Jonny Lee Miller - e 20 anos depois nada mudou mesmo, apesar de os Underworld estrearem Slow Slippy, que é no fundo uma revisitação nostálgica e bem mais romântica de Born Slippy, o hino eletrónico adotado como uma das imagens eufóricas da trip que foi o filme de Danny Boyle em 1996.

Somos turistas da nossa juventude, por isso se regressa a Iggy Pop, mas também a (mais ou menos) clássicos como Frankie Goes To Hollywood, The Clash, Run DMC, Queen ou Blondie, equilibrados na sua exuberância e ritmo com novas propostas, que inclui três temas dos Young Fathers (que vimos no ano passado nalguns dos melhores momentos do concerto dos Massive Attack em Lisboa), um trio escocês-nigeriano-liberiano que é das propostas mais interessantes no hip-hop atual. Aliás, Boyle apontou Only God Knows como a nova Born Slippy, com a mesma dose de adrenalina - os pés começam a bater e o corpo fica a pedir para se mexer.

Neste T2, não há Brian Eno ou New Order, nem a brit pop tem espaço como tinha em 1996, com os Pulp, Blur e Elastica (vivemos tempos de triunfo do hip hop). Mas há Lou Reed, de novo com o seu Perfect Day, que se ouve só no filme num versão em piano que o disco deixou de fora. Seria a cereja no topo de um bolo que se ouve com prazer, mesmo que o tempo pareça não ter passado por aqui. Nem sempre é mau ser-se turista na própria cidade, mais ainda com os sons da própria juventude. Desopilemos, pois.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?