"Nunca se leu tanto, mas é preciso ler mais, e mais profundamente"

"É preciso voltar a dedicarmo-nos aos clássicos, tendo sempre a abertura para os novos formatos e para novas leituras", argumentou o ministro Tiago Brandão Rodrigues

O ministro da Educação foi hoje a Nelas, distrito de Viseu, assinalar a Semana da Leitura, e deixou o desejo de se "ler melhor e mais profundamente", num evento onde foi "autuado" por "leitores do fraque".

"Temos de ler mais, melhor e mais profundamente", defendeu Tiago Brandão Rodrigues, que, no último dia da Semana da Leitura, participou ao final da manhã na Elos - Festa Literária de Nelas, este ano subordinada ao tema "Terra Queimada, Palavra Semeada".

Segundo o governante, "nunca se leu tanto", seja crónicas ou notícias de jornais, no entanto "nunca se leu tão pouco profundamente".

"É preciso voltar a dedicarmo-nos aos clássicos, tendo sempre a abertura para os novos formatos e para novas leituras, mas nunca esquecendo as crónicas romanceadas do Aquilino [Ribeiro, escritor natural da região] ou outras aventuras e sagas que temos nesta região, no país e na literatura mundial", defendeu Tiago Brandão Rodrigues, considerando que tem de se encarar as bibliotecas como "locais de trabalho, locais de prazer, locais de discussão".

"Esta Semana [da Leitura] diz, de forma importante, para libertarmos o leitor ou a leitora que há em cada um de nós. Mas o grande desafio é ir mais longe, é poder desempoeirar e libertar os livros que existem nas nossas bibliotecas, naquele café onde há uma estante com livros, ou nas bibliotecas que temos na nossa casa. É preciso libertar os livros desse incómodo de estarem parados, se calhar há muito tempo, sem uso", vincou durante um breve discurso.

Durante a participação na Festa Literária de Nelas, para além de assistir a atuações do grupo de teatro e de música do agrupamento local, Tiago Brandão Rodrigues ainda foi "autuado".

À chegada ao edifício multiusos de Nelas, o ministro da Educação foi recebido por dois homens, que vestiam de forma irrepreensível um fraque com chapéu alto. "São da oposição?", perguntou o governante. Não eram. "Somos os leitores do fraque - cobramos leituras para quem está em dívida com os livros e a leitura", explicaram Roger Bento e André Ferreira. Perante a informação, Tiago Brandão Rodrigues esclareceu que tem a leitura "quase sempre em dia", mas assegurou que tem "um crédito da infância que vocês nem imaginam".

No entanto, antes da resposta já recebia a "fatura" - dois poemas de Fernando Guimarães e de Sophia de Mello Breyner que teria de ler durante "oito dias, três vezes por dia".

"Fui autuado duas vezes por eles, independentemente do que tenho vindo a ler nos últimos tempos. São verdadeiros cobradores do fraque, porque atuam primeiro e só depois é que perguntam", frisou o governante.

Antes de se deslocar ao Centro Escolar de Nelas, Tiago Brandão Rodrigues ainda foi convidado a plantar um livro que tinha sementes no papel.

"A leitura é a ferramenta absolutamente primeira para fomentar o acesso a todos os cidadãos - e desde a mais tenra idade - à pluralidade do conhecimento e à infinita riqueza da cultura", escreveu o governante no livro.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.