"Nunca se leu tanto, mas é preciso ler mais, e mais profundamente"

"É preciso voltar a dedicarmo-nos aos clássicos, tendo sempre a abertura para os novos formatos e para novas leituras", argumentou o ministro Tiago Brandão Rodrigues

O ministro da Educação foi hoje a Nelas, distrito de Viseu, assinalar a Semana da Leitura, e deixou o desejo de se "ler melhor e mais profundamente", num evento onde foi "autuado" por "leitores do fraque".

"Temos de ler mais, melhor e mais profundamente", defendeu Tiago Brandão Rodrigues, que, no último dia da Semana da Leitura, participou ao final da manhã na Elos - Festa Literária de Nelas, este ano subordinada ao tema "Terra Queimada, Palavra Semeada".

Segundo o governante, "nunca se leu tanto", seja crónicas ou notícias de jornais, no entanto "nunca se leu tão pouco profundamente".

"É preciso voltar a dedicarmo-nos aos clássicos, tendo sempre a abertura para os novos formatos e para novas leituras, mas nunca esquecendo as crónicas romanceadas do Aquilino [Ribeiro, escritor natural da região] ou outras aventuras e sagas que temos nesta região, no país e na literatura mundial", defendeu Tiago Brandão Rodrigues, considerando que tem de se encarar as bibliotecas como "locais de trabalho, locais de prazer, locais de discussão".

"Esta Semana [da Leitura] diz, de forma importante, para libertarmos o leitor ou a leitora que há em cada um de nós. Mas o grande desafio é ir mais longe, é poder desempoeirar e libertar os livros que existem nas nossas bibliotecas, naquele café onde há uma estante com livros, ou nas bibliotecas que temos na nossa casa. É preciso libertar os livros desse incómodo de estarem parados, se calhar há muito tempo, sem uso", vincou durante um breve discurso.

Durante a participação na Festa Literária de Nelas, para além de assistir a atuações do grupo de teatro e de música do agrupamento local, Tiago Brandão Rodrigues ainda foi "autuado".

À chegada ao edifício multiusos de Nelas, o ministro da Educação foi recebido por dois homens, que vestiam de forma irrepreensível um fraque com chapéu alto. "São da oposição?", perguntou o governante. Não eram. "Somos os leitores do fraque - cobramos leituras para quem está em dívida com os livros e a leitura", explicaram Roger Bento e André Ferreira. Perante a informação, Tiago Brandão Rodrigues esclareceu que tem a leitura "quase sempre em dia", mas assegurou que tem "um crédito da infância que vocês nem imaginam".

No entanto, antes da resposta já recebia a "fatura" - dois poemas de Fernando Guimarães e de Sophia de Mello Breyner que teria de ler durante "oito dias, três vezes por dia".

"Fui autuado duas vezes por eles, independentemente do que tenho vindo a ler nos últimos tempos. São verdadeiros cobradores do fraque, porque atuam primeiro e só depois é que perguntam", frisou o governante.

Antes de se deslocar ao Centro Escolar de Nelas, Tiago Brandão Rodrigues ainda foi convidado a plantar um livro que tinha sementes no papel.

"A leitura é a ferramenta absolutamente primeira para fomentar o acesso a todos os cidadãos - e desde a mais tenra idade - à pluralidade do conhecimento e à infinita riqueza da cultura", escreveu o governante no livro.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.