Novo Banco vai ceder coleção BES a museus nacionais

Museu dos Coches recebe pintura anterior ao terramoto, primeiro protocolo da marca Novo Banco Cultura com o Estado

O que fazer com a coleção de arte do BES após a resolução que dividiu o banco em bom e mau, em 2014? A pergunta ficou no ar durante os últimos três anos, com o compromisso de que de viria a ser mostrada. Concluída a venda do Novo Banco ao fundo Lone Star, é hoje assinado o acordo com o Estado português em que "assumem o compromisso de disponibilizar à fruição pública o património cultural e artístico do Novo Banco, através de parcerias com entidades públicas e privadas, como museus e universidades, de âmbito nacional e regional."

O protocolo entre a administração do Novo Banco (NB) e o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, é assinado hoje, às 17.00, no Museu Nacional dos Coches, em Belém, o primeiro a receber um destes depósitos de longa duração - a tela a óleo Entrada Solene, em Lisboa, do Núncio Apostólico Monsenhor Giorgio Cornaro. O alto membro do clero é recebido em Lisboa a 22 de abril de 1693, da pintura em concreto pouco se sabe, para lá de usar uma técnica comum na região do Veneto de onde o Núncio Cornaro é oriundo.

A obra é considerada uma das mais importante do núcleo de 97 obras de pintura portuguesa e europeia de várias épocas do Novo Banco e já esteve em exposição no Museu dos Coches durante uma mostra temporária. "Representa um raro e importante registo iconográfico que nos dá a conhecer um cortejo seiscentista que inclui coches, e liteiras, semelhantes aos que estão expostos no Museu", descrevem Novo Banco e Ministério da Cultura em comunicado.

Trata-se, em concreto, de uma vista do Terreiro do Paço antes do terramoto de 1755. Ao seu valor histórico, soma-se na exposição, o diálogo com peças como o coche de D. Pedro II, rei no momento retratado pelo quadro.

É o início de "um programa de depósito descentralizado da coleção de pintura, colocando à fruição pública 97 obras de relevante valor artístico, em vários museus espalhados pelo território nacional", de acordo com as instituições.

A coleção de pintura do Novo Banco inclui obras dos séculos XVI a XX. De Os Financeiros, atribuída a Quentin Metsys, no século XVI, A Torre de Babel, de meados do século XVII da Escola Flamenga, passando paisagens do francês Jean Baptiste Pillement, que em 1745 saiu do país natal em direção a Espanha e Portugal para trabalhar como pintor e decorador. Uma das obras do NB é uma representação de um momento que se seguiu ao naufrágio do navio de guerra San Pedro de Alcântara, nas falésias da Papoa, em Peniche.

Dos séculos XIX e XX, destacam-se obras de artistas portugueses como Silva Porto, José Malhoa, Artur Loureiro, Júlio Sousa Pinto, Eduardo Malta, Júlio Pomar, Júlio Resende, Eduardo Viana, Maria Helena Vieira da Silva, Manuel d"Assumpção, Carlos Botelho, Manuel Cargaleiro, Mário Dionísio, Nikias Skapinakis, Ângelo de Sousa, Jorge Pinheiro, Graça Morais e Pedro Croft. Neste conjunto estão ainda incluídos quatro portulanos. Estes mapas antigos de portos conhecidos também fazem parte do conjunto que será depositado em museus nacionais.

Uma marca para quatro coleções

Com a assinatura deste acordo entre Novo Banco e Ministério da Cultura é também apresentada a marca Novo Banco Cultura, que pretende agregar, sob o mesmo conceito, quatro coleções distintas do ex-BES - pintura, fotografia, livros e numismática - "com o objetivo último de preservar e divulgar o seu vasto património".

A coleção de fotografia contemporânea do NB, constituída a partir de 2004, tem hoje mais de mil obras de 280 artistas de 38 nacionalidades (portugueses, incluídos). A seleção procura obras representativas dos artistas, em vez de adquirir grandes séries para incluir um maior número de artistas e distintas práticas artísticas. O acervo reúne mais de mil obras de 280 artistas, de 38 nacionalidades, incluindo portugueses.

A biblioteca de Estudos Humanísticos tem cerca de 1100 livros antigos - títulos impressos no século XVI como Utopia, de Thomas Moore, com texto introdutório de Guillaume Budé, e outras obras raras como uma edição de Os Lusíadas, comentados por Manoel Correa, em 1613, cartas régias de D. Afonso V e D. Manuel, os inventários da Casa da Tapada, mandada construir por Sá de Miranda em 1540 - e fundos documentas de Francisco Marques de Sousa Viterbo e Carolina Michaëlis.

Deste conjunto faz parte a biblioteca do professor e investigador da cultura portuguesa e europeia José Vitorino de Pina Martins, a quem, em 2008, foi adquirida a biblioteca pessoal.

A quarta coleção do Novo Banco Cultura é de numismática, adquirida a Carlos Marques da Costa, em 2007. Tem cerca de 13 mil moedas, cunhadas em Portugal ou em território português, com exemplares anteriores à formação do reino de Portugal e passando pelo dinheiro das colónias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".