Novo Banco vai ceder coleção BES a museus nacionais

Museu dos Coches recebe pintura anterior ao terramoto, primeiro protocolo da marca Novo Banco Cultura com o Estado

O que fazer com a coleção de arte do BES após a resolução que dividiu o banco em bom e mau, em 2014? A pergunta ficou no ar durante os últimos três anos, com o compromisso de que de viria a ser mostrada. Concluída a venda do Novo Banco ao fundo Lone Star, é hoje assinado o acordo com o Estado português em que "assumem o compromisso de disponibilizar à fruição pública o património cultural e artístico do Novo Banco, através de parcerias com entidades públicas e privadas, como museus e universidades, de âmbito nacional e regional."

O protocolo entre a administração do Novo Banco (NB) e o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, é assinado hoje, às 17.00, no Museu Nacional dos Coches, em Belém, o primeiro a receber um destes depósitos de longa duração - a tela a óleo Entrada Solene, em Lisboa, do Núncio Apostólico Monsenhor Giorgio Cornaro. O alto membro do clero é recebido em Lisboa a 22 de abril de 1693, da pintura em concreto pouco se sabe, para lá de usar uma técnica comum na região do Veneto de onde o Núncio Cornaro é oriundo.

A obra é considerada uma das mais importante do núcleo de 97 obras de pintura portuguesa e europeia de várias épocas do Novo Banco e já esteve em exposição no Museu dos Coches durante uma mostra temporária. "Representa um raro e importante registo iconográfico que nos dá a conhecer um cortejo seiscentista que inclui coches, e liteiras, semelhantes aos que estão expostos no Museu", descrevem Novo Banco e Ministério da Cultura em comunicado.

Trata-se, em concreto, de uma vista do Terreiro do Paço antes do terramoto de 1755. Ao seu valor histórico, soma-se na exposição, o diálogo com peças como o coche de D. Pedro II, rei no momento retratado pelo quadro.

É o início de "um programa de depósito descentralizado da coleção de pintura, colocando à fruição pública 97 obras de relevante valor artístico, em vários museus espalhados pelo território nacional", de acordo com as instituições.

A coleção de pintura do Novo Banco inclui obras dos séculos XVI a XX. De Os Financeiros, atribuída a Quentin Metsys, no século XVI, A Torre de Babel, de meados do século XVII da Escola Flamenga, passando paisagens do francês Jean Baptiste Pillement, que em 1745 saiu do país natal em direção a Espanha e Portugal para trabalhar como pintor e decorador. Uma das obras do NB é uma representação de um momento que se seguiu ao naufrágio do navio de guerra San Pedro de Alcântara, nas falésias da Papoa, em Peniche.

Dos séculos XIX e XX, destacam-se obras de artistas portugueses como Silva Porto, José Malhoa, Artur Loureiro, Júlio Sousa Pinto, Eduardo Malta, Júlio Pomar, Júlio Resende, Eduardo Viana, Maria Helena Vieira da Silva, Manuel d"Assumpção, Carlos Botelho, Manuel Cargaleiro, Mário Dionísio, Nikias Skapinakis, Ângelo de Sousa, Jorge Pinheiro, Graça Morais e Pedro Croft. Neste conjunto estão ainda incluídos quatro portulanos. Estes mapas antigos de portos conhecidos também fazem parte do conjunto que será depositado em museus nacionais.

Uma marca para quatro coleções

Com a assinatura deste acordo entre Novo Banco e Ministério da Cultura é também apresentada a marca Novo Banco Cultura, que pretende agregar, sob o mesmo conceito, quatro coleções distintas do ex-BES - pintura, fotografia, livros e numismática - "com o objetivo último de preservar e divulgar o seu vasto património".

A coleção de fotografia contemporânea do NB, constituída a partir de 2004, tem hoje mais de mil obras de 280 artistas de 38 nacionalidades (portugueses, incluídos). A seleção procura obras representativas dos artistas, em vez de adquirir grandes séries para incluir um maior número de artistas e distintas práticas artísticas. O acervo reúne mais de mil obras de 280 artistas, de 38 nacionalidades, incluindo portugueses.

A biblioteca de Estudos Humanísticos tem cerca de 1100 livros antigos - títulos impressos no século XVI como Utopia, de Thomas Moore, com texto introdutório de Guillaume Budé, e outras obras raras como uma edição de Os Lusíadas, comentados por Manoel Correa, em 1613, cartas régias de D. Afonso V e D. Manuel, os inventários da Casa da Tapada, mandada construir por Sá de Miranda em 1540 - e fundos documentas de Francisco Marques de Sousa Viterbo e Carolina Michaëlis.

Deste conjunto faz parte a biblioteca do professor e investigador da cultura portuguesa e europeia José Vitorino de Pina Martins, a quem, em 2008, foi adquirida a biblioteca pessoal.

A quarta coleção do Novo Banco Cultura é de numismática, adquirida a Carlos Marques da Costa, em 2007. Tem cerca de 13 mil moedas, cunhadas em Portugal ou em território português, com exemplares anteriores à formação do reino de Portugal e passando pelo dinheiro das colónias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.