Nos 20 anos do Nobel, a Feira do Livro de Lisboa quase esquece José Saramago

Só há um Nobel da Literatura em toda a língua portuguesa, mas a organização não aposta na comemoração. A ex-editora do nobel traz a Lisboa Germano Almeida, o mais recente prémio Camões.

Os 20 anos da atribuição do único Nobel da Literatura para a língua portuguesa a José Saramago quase era ignorada na 88.ª Feira do Livro de Lisboa. Não fosse a editora do escritor assinalar a data com um pavilhão próprio, restaria na feira um único momento de evocação dos 20 anos do Nobel.

Ao DN, a organização da Feira do Livro de Lisboa considera que a data não está esquecida, mas a única iniciativa prevista para o recinto é a projeção do documentário José e Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes, promovida pela APEL e pela Cinemateca Portuguesa . Será a atual editora de José Saramago, a Porto Editora, que destacará o nobel entre as restantes centenas de pavilhões, com a criação de um espaço especialmente dedicado ao escritor. Nele estará exposta toda a obra de José Saramago, bem como decorrerá a projeção constante de momentos da vida do escritor, como a do discurso de Estocolmo.

Em ano de aniversário do Nobel, existe também o do filósofo Eduardo Lourenço, 95 anos desde anteontem, a celebrar amanhã com a exibição do documentário do mesmo Miguel Gonçalves Mendes, intitulado, como uma das suas obras mais importante, Labirinto da Saudade .

Entre as várias presenças na feira estará a do mais recente prémio Camões, Germano Almeida, cuja vinda a editora Leya garantiu ontem ao DN estar confirmada. O escritor cabo-verdiano estará disponível para conversas com os leitores e para autografar os seus livros durante o último fim de semana. Não estará só, pois várias centenas de escritores nacionais e estrangeiros estão já anunciadas nos pavilhões de todas as editoras.

Se há uma certeza absoluta sobre a Feira do Livro de Lisboa desde o seu início é a de que irá chover fortemente no recinto. A previsão para hoje, o dia da abertura, e durante o primeiro fim de semana confirma essa tradição que dificulta a vida aos leitores, autores e editores. Nada que impeça a 88.ª edição de ser mais uma grande festa do livro. Como tem acontecido nos últimos anos, a organização transformou o espaço do Parque Eduardo VII num evento que vai muito além dos livros, com múltiplos espaços de restauração e de lazer.

Quanto aos livros, bate-se mais um recorde neste ano: mais 25 editoras e chancelas estarão pela primeira vez na feira e mais oito novos pavilhões serão instalados. Ou seja, são 294 pavilhões e 626 editoras e chancelas distribuídas ao longo de 23 mil metros quadrados - mais três mil do que no ano passado.

Outro regresso é o do Presidente da República hoje à tarde na abertura da feira, que contará ainda com a presença do ministro da Cultura e do autarca lisboeta. Marcelo Rebelo de Sousa vai levar uma lista de compras literárias e duas malas de viagem para levar as aquisições.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."