Museu de Arte Antiga continua a encerrar salas por falta de vigilantes

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, continua a encerrar ao público salas de exposição por falta de vigilantes, "embora a situação já não seja tão drástica", mas continue "a ser preocupante", segundo o diretor.

"Todos os dias temos de encerrar salas por falta de recursos humanos", disse à agência Lusa o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, à margem da visita guiada à nova exposição, que é inaugurada na quarta-feira, com obras de arte adquiridas com o dinheiro do açúcar produzido na Madeira, entre os séculos XV e XVI.

De acordo com o responsável, vão ser substituídos quatro vigilantes que o MNAA perdeu recentemente, ficando com um total de 16 para um museu que "deveria ter mais de 30 a 35, para vigiar os seus espaços expositivos".

Sobre as zonas expositivas que são mais afetadas com esta falta de pessoal, António Filipe Pimentel explicou que "são sempre mais preservadas as salas onde está pintura e escultura portuguesas", enquanto "as de mobiliário português e presépios [são] as mais encerradas".

"Com as folgas, os turnos e um quadro de recursos humanos envelhecido, o museu continua a viver uma situação altamente preocupante e insuficiente. É preciso fazer uma gestão diária muito difícil", alertou.

Em julho, depois da direção do MNAA ter avisado o público no seu sítio 'online' de que tinha sido obrigada a encerrar a maioria das salas por questões de segurança, relacionada com a falta de vigilantes, o museu recebeu um reforço de seis funcionários.

Na altura, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que tutela os museus, palácios e monumentos nacionais, tinha anunciado um reforço decorrente de um processo de contratação externa.

O museu, que é o segundo mais visitado do país, tinha chegado a uma situação de tomar medidas drásticas por se encontrarem "sete vigilantes de baixa médica".

Criado em 1884, o MNAA acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga do país, de pintura, escultura, artes decorativas portuguesas, europeias e da Expansão Marítima Portuguesa, desde a Idade Média até ao século XIX, e é um dos museus com maior número de obras classificadas como tesouros nacionais.

Além dos Painéis de São Vicente, de Nuno Gonçalves, o acervo integra ainda, entre outros tesouros, a Custódia de Belém, de Gil Vicente, mandada lavrar por D. Manuel I, datada de 1506, Biombos Namban, do final do século XVI, que registam a presença dos portugueses no Japão.

Hieronymous Bosch, Albrecht Dürer, Piero della Francesa, Hans Holbein, o Velho, Pieter Bruegel, o jovem, Lucas Cranach, Jan Steen, van Dyck, Murillo, Ribera, Nicolas Poussin, Tiepolo, Fragonard são alguns dos mestres europeus representados na coleção do MNAA.

Em 2016, o MNAA somou 175.578 visitantes, mantendo o segundo lugar na lista dos museus nacionais mais visitados.

A exposição "As ilhas do ouro branco - Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI)", que assinala os 600 anos da descoberta do arquipélago que hoje compõe a Região Autónoma da Madeira, será inaugurada na quarta-feira, no MNAA, abre ao público no dia seguinte e fica patente até 18 de março do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.