Mosteiro dos Jerónimos terá um milhão de visitantes este ano

O número de pessoas que visitaram o Mosteiro dos Jerónimos em 2015, quase 944 mil, será batido este ano

Os 23 museus, monumentos e palácios sob tutela da Direção-Geral do Património (DGPC) cresceram em visitantes, de acordo com os números que já são conhecidos, de janeiro a agosto, em comparação com o mesmo período do ano passado.

O Mosteiro dos Jerónimos, que já tinha tido mais 136 mil visitantes de 2014 para 2015, continua a ser a joia do património nacional. Até agosto de 2016 tinha registado 734 077 visitas. A DGPC estima que se ultrapasse este ano o milhão de visitantes. Em termos de receita, recebeu mais de 3,2 milhões de euros.

Destaque ainda para o Museu Machado de Castro, em Coimbra, que ultrapassou nos primeiros oito meses do ano o total de 2015. Há registo de 77 251 em 2016, foram 77 059 nos 12 meses de 2015. O museu reabriu ao público em 2012, após seis anos de obras de requalificação.

Ranking dos monumentos, palácios e museus mais visitados até agosto*:

Mosteiro dos Jerónimos - 734 077

Torre de Belém - 465 432

Palácio Nacional de Mafra - 242 075

Museu Nacional dos Coches - 232 992

Convento de Cristo - 202 900

Mosteiro de Alcobaça - 161 860

Museu Nacional de Arte Antiga - 131 466

Museu Nacional do Azulejo - 106 881

Museu Nacional de Arqueologia - 97 438

Museu Nacional Grão Vasco - 81 734

Museu Nacional Machado de Castro - 77 251

Museu Monográfico de Conímbriga - 68 885

Palácio Nacional da Ajuda - 48 422

Museu Nacional Soares dos Reis - 45 251

Museu do Chiado - 36 251

Museu Nacional do Traje - 30 353

Museu Nacional do Teatro e da Dança - 27 584

Museu Nacional de Etnologia - 11 858

Museu de Arte Popular (de entrada gratuita) - 12 249

As Jornadas Europeias do Património começam esta sexta-feira, com abertura oficial no Museu Nacional de Etnologia, e continuam fim de semana fora. O tema deste ano é Comunidades e Culturas.

As atividades espalham-se por 800 pontos do país e podem ser consultadas no site do Património Cultural.

* Dos 23 que são tutelados pela Direção-Geral do Património Cultural

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.