Morreu o realizador Alberto Seixas Santos

Seixas Santos tinha 80 anos. Velório realiza-se domingom no Teatro Thalia, em Lisboa

O cineasta Alberto Seixas Santos morreu este sábado aos 80 anos. O realizador de Brandos Costumes, uma das obras mais emblemáticas do Cinema Novo português, estava doente há um ano. A morte de Seixas Santos foi confirmada à Lusa pela realizadora Margarida Gil.

A mesma fonte acrescentou que o velório se irá realizar domingo a partir das 17:00 no Teatro Thalia, estrada das Laranjeiras, sendo depois o corpo cremado na segunda-feira, às 16:00, no Cemitério dos Olivais, em Lisboa.

Nome fulcral na história do cinema português do último meio século, Alberto Seixas Santos foi autor de uma obra apostada em questionar as convulsões do século XX. Nascido a 20 de março de 1936, em Lisboa, foi um dos fundadores do Centro Português de Cinema e apresentou em competição no Festival de Berlim de 1975 a sua primeira longa-metragem, Brandos Costumes, filmada a partir de um argumento escrito em parceria com os escritores Luísa Neto Jorge e Nuno Júdice e que traçava um paralelo entre o quotidiano de uma família da média burguesia e o trajeto do regime emanado do golpe militar de 28 de Maio de 1926.

Estudou história e filosofia na Universidade de Lisboa e cinema em Paris, no Institut de Filmologie da Sorbonne, e em Londres, na London School of Film Technique. Foi dirigente e animador do ABC, o Cineclube de Lisboa, e destacou-se na intervenção crítica, ao colaborar, por exemplo, nas revistas Imagem, Seara Nova e o O Tempo e o Modo.

Depois do 25 de abril, Seixas Santos participou em vários filmes coletivos e foi um dos realizadores de As Armas e o Povo, que contava a primeira semana da Revolução dos Cravos. Em Gestos e Fragmentos, que realiza entre 1980 e 1982, quis abordar a relação entre os militares e o poder em Portugal.

Foi docente na Escola Superior de Teatro e Cinema e a partir da década de 80 assume vários cargos na RTP, onde chegou a diretor de programas. Na década de 90, realiza Paraíso Perdido e Mal. A sua última longa-metragem, E o Tempo Passa, é de 2011.

Em março de 2016, a Cinemateca dedicou-lhe uma retrospetiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.