Morreu Hugh Masekela, o "pai" do jazz sul-africano

O músico de 78 anos era também dum dos rostos do movimento anti-apartheid.

O trompetista, compositor e cantor Hugh Masekela, conhecido como o "pai do jazz sul-africano", morreu aos 78 anos. O músico sofria de câncro na próstata e de acordo com o comunicado da família morreu "pacificamente" em Joanesburgo, a cidade onde morou e trabalhou durante grande parte da sua vida.

Além da sua importância musical, dentro do agro-jazz, Masekela foi um dos rostos do movimento anti-apartheid, com temas que se tornaram hinos políticos, como o Soweto Blues que ele compôs e que foi originalmente interpretada por Miriam Makeba, em 1976.

O presidente sul-africano Jacob Zuma referiu-se à morte de Masekela como "uma enorme incomensurável para a indústria música e para o país em geral". E continuou: "A sua contribuição para a luta pela libertação nunca será esquecida".

Nascido em Witbank, na África do Sul , em 1939 Hugh Masekela decidiu estudar trompete depois de ter visto Kirk Douglas interpretar Bix Beiderbecke no filme de 1950 Young Man With a Horn. Em 1950, aos 21 anos, deixou o seu país e viveu durante 30 anos no exílio. Conviveu com nomes lendários do jazz como Miles Davis, John Coltrane e Charles Mingus e foi um dos discípulos de músicos como Dizzy Gillespie e Louis Armstrong, que o incentivaram a procurar o seu próprio estilo.

Em 1967, apresentou no Monterey Pop Festival, ao lado de nomes como Janis Jopling, Otis Reding, Ravi Shankar, The Who e Jimi Hendrix. No ano seguinte, o tema instrumental Grazing in the Grass chegou aos lugares cimeiros da tabeça de vendas dos EUA e tornou-se um êxito mundial.

Masekela regressou à África do Sul em 1990, após a libertação de Mandela, cuja liberdade ele tinha pedido no tema Bring Home Nelson Mandela (1986):

O músico foi casado com a cantora e ativista Miriam Makeba, entre 1964 e 1966.

Em 2010, já perto do final da sua carreira, atuou na cerimónia de abertura do Campeonato do Mundo de Futebol, na África do Sul:

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.