Morreu o "génio dos logótipos" Ivan Chermayeff

O designer gráfico tinha 85 anos

O designer gráfico Ivan Chermayeff, criador de alguns dos mais conhecidos logótipos a nível mundial, e de um painel de azulejos no Oceanário de Lisboa, morreu no domingo, aos 85 anos, noticiou hoje o jornal de arquitetura "Archpaper".

Designer, ilustrador e artista, que o jornal The Guardian apelidou de "Logo genius", Chermayeff criou imagens memoráveis e icónicas para centenas de clientes, tendo sido sócio fundador da Chermayeff & Geismar & Haviv, uma das principais empresas de design gráfico, nos campos de identidade corporativa, desenvolvimento de marcas e design de logótipos.

Em Portugal, há três livros para a infância, publicados pela editora Bruaá, com ilustrações de Ivan Chermayeff: "Guarda como um segredo", "Um nome para o cão" e "Estava a pensar".

O autor concebeu ainda, em conjunto com o irmão, Peter Chermayeff, o painel de azulejos com animais marinhos, no exterior do Oceanário de Lisboa.

Nascido em Londres, em 1932, filho de um designer industrial e arquiteto russo, autor do De La Warr Pavilion (com Erich Mendelsohn), Ivan Chermayeff foi jovem para os Estados Unidos, em 1940, juntamente com o seu irmão Peter, cofundador da Cambridge Seven Associates.

Ivan Chermayeff foi criado num meio de artistas, arquitetos, designers e intelectuais. Segundo o próprio contou, frequentou 24 escolas, uma dúzia de que não tinha "memória de nada, e outra dúzia que não teve nenhum efeito" sobre ele.

Finalmente formou-se em Yale, mas, numa entrevista gravada, disse que demorou "sete anos a recuperar da sua educação" e que "teria sido melhor estudar química para se preparar para ser designer", pois isso ter-lhe-ia ensinado "disciplina".

Ivan Chermayeff rejeitou a ideia de ser um arquiteto que "trabalha em coisas que demoram muito tempo, e que muitas vezes falham por falta de financiamento ou qualquer outra razão". "Com o design gráfico, há a vantagem de que 99% do que fazemos é produzido" e adorava ver os seus logótipos "rapidamente publicados por toda a cidade".

A sua empresa, Chermayeff & Geismar, fundada em 1957 (e que juntou Sagi Haviv, em 2006) praticamente definiu a imagem da América corporativa e criou logótipos para a Pan Am, Mobile Oil, Chase Bank, Xerox, NBC, State Farm Insurance, Hearst Corporation Showtime e muitas outras marcas.

A empresa criou também identidades para grandes instituições sem fins lucrativos e culturais, como o Museu de Arte Moderna (MoMA), Smithsonian Institution, Cornell University, National Geographic, Kennedy Center Honors, o Southern Poverty Law Center, Fundação John D. e Catherine T. MacArthur, Conservation International e a Biblioteca do Congresso.

Para a campanha mundial da Pan Am, concebeu o cartaz "Pan Am Portugal 1972", com uma fotografia da costa oeste portuguesa, marcada pelo confronto entre o casario e as ondas altas do Atlântico.

Igualmente atribuída a este designer é a escultura do número nove vermelho, do 9 West 57th Street, na cidade de Nova Iorque.

Ivan Chermayeff acreditava que "o design é realmente um senso comum, qualquer tipo de imagem que se comunica é válida".

Costumava dizer que a sua grande fonte de design era "fazer perguntas beligerantes". Quando alguém apresenta um problema, é importante descobrir "se o problema apresentado é o problema real", e ele acreditava que muitas vezes "não era".

Ivan Chermayeff foi presidente do Instituto Americano de Artes Gráficas (AIGA) e a sua empresa recebeu a Medalha AIGA para design gráfico e comunicação visual, em 1979.

Os sócios da Chermayeff & Geismar & Haviv foram ainda homenageados pela "clareza e organização de seus sistemas gráficos e pela busca de detalhes consistentes que funcionam em todos os tamanhos e escala para resolver os problemas dos programas multilingues".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.