Morreu o crítico e divulgador de jazz Raul Calado

"Ao longo da sua carreira, Raul Calado contribuiu para que o conhecimento do jazz chegasse a mais públicos, deixando a todos nós esse importante legado", afirmou o ministro da Cultura. O crítico tinha 87 anos

O crítico e divulgador de jazz Raul Calado, que geriu o Hot Clube de Portugal, morreu na sexta-feira aos 87 anos, disse à Lusa fonte da família. O corpo estará até sábado de manhã em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, e sairá às 10.30 para o cemitério dos Olivais, onde será cremado.

Raul Calado traduziu os primeiros livros sobre jazz publicados em Portugal, foi gerente do Hot Clube de Portugal na década de 1950, pertenceu ao júri do popular programa "A Visita da Cornélia", que fez sucesso na RTP na década de 1970.

Na página de Internet do projeto "Mensageiros do Jazz", da Universidade de Aveiro, refere-se que Raul Calado, que também trabalhou em publicidade, publicou artigos de opinião na imprensa portuguesa.

Em plena ditadura, criou o Clube Universitário de Jazz de Lisboa, que acabou por ser fechado pela polícia em 1961, três anos depois de começar.

O ministro da Cultura lamentou hoje a morte do crítico e divulgador de jazz Raul Calado, responsável pela tradução em Portugal dos primeiros livros de jazz e que esteve à frente do Hot Club de Portugal nos anos 1950.

"Devemos-lhe igualmente reconhecimento pela criação, em plenos anos de ditadura, do Clube Universitário de Jazz de Lisboa, que acabaria por ser fechado em 1961", refere Luís Filipe de Castro Mendes na nota de pesar.

O ministro lembra ainda que Raul Calado contribuiu definitivamente para a divulgação do jazz em Portugal, quer através da publicação de textos na imprensa, quer pela realização de inúmeras sessões fonográficas e conferências em diversas instituições e clubes estudantis.

"Ao longo da sua carreira, Raul Calado contribuiu para que o conhecimento do jazz chegasse a mais públicos, deixando a todos nós esse importante legado", conclui o ministro, que à família do falecido envia sentidas condolências.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.