Morreu o crítico e divulgador de jazz Raul Calado

"Ao longo da sua carreira, Raul Calado contribuiu para que o conhecimento do jazz chegasse a mais públicos, deixando a todos nós esse importante legado", afirmou o ministro da Cultura. O crítico tinha 87 anos

O crítico e divulgador de jazz Raul Calado, que geriu o Hot Clube de Portugal, morreu na sexta-feira aos 87 anos, disse à Lusa fonte da família. O corpo estará até sábado de manhã em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, e sairá às 10.30 para o cemitério dos Olivais, onde será cremado.

Raul Calado traduziu os primeiros livros sobre jazz publicados em Portugal, foi gerente do Hot Clube de Portugal na década de 1950, pertenceu ao júri do popular programa "A Visita da Cornélia", que fez sucesso na RTP na década de 1970.

Na página de Internet do projeto "Mensageiros do Jazz", da Universidade de Aveiro, refere-se que Raul Calado, que também trabalhou em publicidade, publicou artigos de opinião na imprensa portuguesa.

Em plena ditadura, criou o Clube Universitário de Jazz de Lisboa, que acabou por ser fechado pela polícia em 1961, três anos depois de começar.

O ministro da Cultura lamentou hoje a morte do crítico e divulgador de jazz Raul Calado, responsável pela tradução em Portugal dos primeiros livros de jazz e que esteve à frente do Hot Club de Portugal nos anos 1950.

"Devemos-lhe igualmente reconhecimento pela criação, em plenos anos de ditadura, do Clube Universitário de Jazz de Lisboa, que acabaria por ser fechado em 1961", refere Luís Filipe de Castro Mendes na nota de pesar.

O ministro lembra ainda que Raul Calado contribuiu definitivamente para a divulgação do jazz em Portugal, quer através da publicação de textos na imprensa, quer pela realização de inúmeras sessões fonográficas e conferências em diversas instituições e clubes estudantis.

"Ao longo da sua carreira, Raul Calado contribuiu para que o conhecimento do jazz chegasse a mais públicos, deixando a todos nós esse importante legado", conclui o ministro, que à família do falecido envia sentidas condolências.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".