Morreu a atriz Teresa Ramalho, a conhecida Tareka

Mãe do ator Tozé Martinho e da escritora Ana Maria Magalhães tinha 90 anos

A atriz Maria Teresa Ramalho, conhecida como "Tareka", morreu esta terça-feira aos 90 anos, no Hospital da CUF, em Lisboa, disse à agência Lusa fonte próxima da família.

Mãe do ator Tozé Martinho e da escritora Ana Maria Magalhães, Maria Teresa Ramalho era também escritora, com o pseudónimo de Ângela Sarmento. Estava internada desde o dia 12 de outubro.

Maria Teresa Guerra Bastos Gonçalves de Morais Sarmento Ramalho nasceu em Lisboa, a 22 de novembro de 1927. Tornou-se conhecida do grande público como Tareka, em 1976, no concurso televisivo "A visita da Cornélia", em que, com o filho Tozé Martinho, formou uma das principais equipas deste programa da RTP.

Tareka residia em Salvaterra de Magos desde agosto de 1961, quando se casou com o ganadeiro ribatejano João Ramalho, tendo confessado em entrevistas que nunca se arrependera de ter trocado a cidade pelo campo.

A carreira de atriz iniciou-a já casada, sem que nunca tenha ousado dizer ao pai que queria ser atriz. Era, contudo, o marido que a apoiava e quem a levava aos estúdios onde gravava as telenovelas.

Amante confessa do campo e da natureza, era também uma aficionada e considerava "uma parvoíce" as manifestações antitouradas. "Se uma pessoa não gosta do espetáculo não vai. Não me consta que alguém vá de rojo, puxada pelos cabelos, para uma praça de toiros", disse, numa entrevista ao jornal O Mirante, em 2011.

Participou em várias produções televisivas, sobretudo telenovelas, algumas escritas pelo filho, ator e argumentista. Fez parte do elenco de "Origens", "Ricardina e Marta", "Palavras Cruzadas", "Roseira Brava" e "Estátua de Sal", na RTP, "Dei-te Quase Tudo", "Olhos de Água" e "Todo o Tempo do Mundo", na TVI, entre outras produções.

Na SIC, entrou na série "Uma Aventura", inspirada nos livros de sua filha Ana Maria Magalhães, escritos em parceria com Isabel Alçada.

Maria Teresa Ramalho era também irmã da escritora Isabel da Nóbrega.

Estreou-se nas letras com o romance "A Árvore", em 1961, a que se seguiram "A Hora da Verdade" e livros de contos, com títulos como "Os Dias Longos" e "À Beira da Estrada". "Olha para mim", o último romance, foi publicado em 2014.

Além de dança, também estudou desenho, tendo sido discípula de Raquel Roque Gameiro.

O corpo da atriz, segundo a mesma fonte, seguirá ainda hoje para Salvaterra de Magos, onde residia, e o funeral realizar-se-á na quarta-feira de manhã, naquela vila do distrito de Santarém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.