MNAA compra Retrato de D. João V à boleia de Sequeira

Capa da exposição "A Encomenda Prodigiosa", patente no Museu de Arte Antiga em 2013, o "Retrato de D. João V e a Batalha do Cabo Matapão" foi comprado com parte do dinheiro da campanha de crowdfunding realizada para a aquisição da "Adoração dos Magos", de 1828, de Domingos Sequeira

Era um antigo desejo do Museu Nacional de Arte Antiga e agora, graças à campanha de angariação de fundos para a compra da Adoração dos Magos do pintor português Domingos Sequeira, pôde finalmente ser realizado.

Retrato de D. João V e a Batalha do Cabo Matapão, 1717, de Giorgio Domenico Duprà (1689-1770)

Revelado em 1962 pelo historiador Armindo Ayres de Carvalho (na obra D. João V e a arte do seu tempo: Arquitectos de el-rei D. Pedro II e D. João V), o Retrato de D. João V e a Batalha do Cabo Matapão, do pintor Giorgio Domenico Duprà, encontrava-se nessa época exposto na embaixada do Brasil em Haia.

Em 2012, quando o MNAA resolveu perseguir o rasto da pintura, para que esta pudesse fazer parte da exposição A Encomenda Prodigiosa. Da Patriarcal à Capela Real de São João Baptista, descobriu, após morosa investigação, que a mesma pertencia ao embaixador brasileiro (não à embaixada do Brasil em Haia) e que, passados 50 anos, continuava na coleção da sua família. A obra foi mostrada em Portugal pela primeira vez, na exposição que o MNAA inaugurou a 18 de maio de 2013, tendo justamente constituído a capa do respetivo catálogo.

Tendo tido conhecimento da campanha "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo", "os descendentes do antigo embaixador em Haia, atuais proprietários da obra, propuseram ao Grupo dos Amigos do Museu Nacional de Arte Antiga (GAMNAA) a sua compra, por um valor de 100 mil euros", refere nota do museu.

Dado o sucesso da campanha de crowdfunding "Vamos pôr o Sequeira no lugar", que angariou um total de 745 623,40 euros, acima dos 600 mil euros necessários para a compra da obra de Domingos Sequeira, foi possível agora concretizar a compra do Retrato de D. João V, o Magnânimo, pintado por Duprà, um importantes retratista do seu tempo, que não estava ainda representado na coleção do MNAA. Hoje o quadro juntou-se à Adoração dos Magos, na nova Galeria de Pintura e Escultura Portuguesas do Museu das Janelas Verdes, inaugurada a 14 de julho.

Retratista preferido do rei, Giorgio Domenico Duprà nasceu em Turim e chegou à corte portuguesa em 1719, acabando por habitar no próprio paço real. D. João V (1689-1750) é representado nesta obra
om cerca de 30 anos, a três quartos e em traje militar, tendo como fundo a Batalha do Cabo de Matapão (1717), no extremo sul da Grécia, um dos últimos grandes conflitos navais com participação da armada portuguesa. Encomendada provavelmente para ser replicada e difundida noutras cortes europeias, a pintura exalta a vitória sobre a armada turca que ameaçava a Península Itálica, um feito que muito contribuiu para a redefinição do papel da coroa portuguesa no quadro político da Europa da época.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).