Marcelo condecora Carlos do Carmo, que "enche a alma dos portugueses"

O fadista recebeu neste sábado o título de Grande-Oficial da Ordem do Mérito,

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou hoje o fadista Carlos do Carmo com o título de Grande-Oficial da Ordem do Mérito, sublinhando os méritos de um artista que "enche a alma dos portugueses".

Numa curta cerimónia tida esta tarde no Palácio de Belém, o chefe de Estado teceu rasgados elogios a Carlos do Carmo como cidadão e artista, e enalteceu o modo como leva Portugal lá fora.

O fadista, falando posteriormente aos jornalistas, reconheceu estar "muito feliz" com a distinção, mas asseverou que o título não o "envaidece", antes o responsabiliza. Carlos do Carmo teceu também elogios ao "consulado" de Marcelo Rebelo de Sousa em Belém, nomeadamente ao "reforçar da autoestima dos portugueses" por si potenciada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.