Maravilhosa e louca noite de Elton John

O cantor britânico foi recebido em Lisboa com uma ovação de pé. "Candle in the Wind" e "Crocodile Rock" fecharam um concerto de duas horas e meia.

Telefones ao alto, sir Elton John está a chegar. Eram 20.37, as luzes apagaram-se e começou a soar a música. Dois minutos depois, uma imagem do piano e dos dedos. Clarão sobre o artista. O concerto começa. Cinco músicos acompanham-no em palco.

O longo solo introduziu Funeral for a Friend ao público do MEO Arena na noite de domingo. Sem pausa para respirar, o artista disparou Love Lies Bleeding. Os telefones continuavam em modo vídeo a registar a passagem do cantor por Lisboa (mais uma vez). Doze minutos de música, fotografáveis pela imprensa (os únicos), e uma ovação de pé. A canção seguinte levou-o para cima do piano. The Bitch is Back.

Os tempos em que Elton John falhava concertos em cima da hora, como aconteceu em 2000 no Casino Estoril, são passado. Ei-lo, de regresso, camisa encarnada e casaco preto com bordados de lantejoulas, cintilantes, a incitar o público - uma sala cheia, plateia sentada. A canção que está a tocar é é Bennie and the Jets.

Elton John, 70 anos em 2017, cumprimenta a multidão. "Boa noite, Lisboa", disse, em português. Fez o elogio da praxe à cidade. E ao tempo, esses atípicos 16 graus em dezembro. "É o último concerto da digressão e vamos torná-lo especial".

Antes do concerto, havia uma mensagem para a equipa nos ecrãs gigantes do Meo Arena "São a melhor equipa à face da Terra. Obrigada por nos fazerem soar e parecer tão bem. Trabalham muito e a vossa lealdade é extraordinária - e a comida também. Obrigada por todo o amor, apoio e amizade e os sorrisos nos tempos maus assim como nos tempos bons". Os agradecimentos estavam assinados por Elton John, mas também dos outros elementos da equipa. Em palco, só o cantor britânico se dirigiu ao público, mas sempre na segunda pessoa do plural.

Em Lisboa, apenas numa ocasião se afastou do alinhamento que levou mundo fora nesta Wonderful Crazy Tour, a que regressa já no fim do ano. Elton & His Band atuam em Las Vegas quatro noites a partir de 28 de dezembro. É em palco que recebem o novo ano.

Nada sorridente ao piano, mas eficaz, o agora penteadinho Elton John lança-se em I Guess That's Why They Call it the Blues. Brinca com os versos. No final, levanta-se, agradece as palmas, sorri (por fim), bebe água, torna a sentar-se e a cantar. Gestos que se repetem ao longo de toda a noite, tal como os agradecimentos. Em inglês e em português. "Vocês são mesmo extraordinários", diz.

Com um repertório de grandes êxitos feito, incluiu duas canções do último disco, Wonderful Crazy Night, lançado em fevereiro deste ano. Looking up e Good Heart, "uma das minhas favoritas". "Para os amantes que andam por aí..."

Depois de Philadelphia Song, a sala é contemplada com uma amostra do seu virtuosismo, se dúvidas restassem. Faz um medley de canções de Natal, como Jingle Bells e We Wish a Merry Christmas. Sem palavras. Antecipa-se uma explosão musical, confirmada com os primeiros acordes de Rocket Man, uma das canções que mais empolgou o público.

Com Tiny Dancer e Levon, ambas do mesmo álbum, Elton John chega ao equador do espetáculo. Passou uma hora e meia. O que se segue é quase um festival de singles, começando em Yellow Brick Road. "Vocês são espantosos", elogia, mais uma vez, passando por um tema que Elton John diz que não têm cantado muito, Have no Mercy in the Criminal, mas que tem feito parte do alinhamento de todos os espetáculos da digressão.

De volta aos singles, Sorry Seems To Be the Hardest Word e Your Song, estabeleceram novos recordes de aplauso. O público começou a levantar-se e aproximar-se das primeiras filas, em Sad Songs (Say So Much).

Com a apresentação dos músicos - John Mahon (percussão), Kim Ballard (teclas), Matt Bissonette (baixo) e os decanos Nigel Olsson (bateria) e Davey Johnston (guitarra), que acompanham o artista desde os anos 70 - veio novo agradecimento à equipa de luz, som, vídeo, condutores dos camiões, que acompanham o cantor britânico e que montaram o espetáculo no Meo Arena em menos de 24 horas. Charles Aznavour cantou no Meo Arena na noite anterior. Só as cadeiras da plateia se mantiveram.

Naquilo a que chamou um "pequeno gesto", lembrou o amigo desaparecido no sábado o escritor e crítico de restaurantes AA Gill, de 62 anos, dedicando-lhe Don't Let The Sun Go Down on Me. Esta foi a mudança registada em relação a alinhamentos apresentados em outras geografias. I'm Still Standing, Your Sister Can't Twist e Saturday Night's Alright for Fighting fecharam o concerto oficialmente.

Elton John tinha de regressar para Candle in the Wind (versão Norma Jean, a original) e Crocodile Rock, depois de passear pelo palco, apertar mãos e assinar autógrafos. Eram quase 23.30 quando as luzes se acenderam.

O mais tocado

Lançado em 1973, Goodbye Yellow Brick Road foi o disco mais representado no repertório escolhido por Elton John para esta digressão. Dele fazem parte a canção dá nome ao disco, Candle in the Wind, Bennie and The Jets, Your Sister Can't Twist (But She can Rock N' Roll) e Saturday Night's Alright for Fighting.

No início desse ano, Elton John lançava Don't Shoot Me I'm Only the Piano Player, de que fazem parte Crocodile Rock e Daniel.

Um ano depois desse álbum chega Caribou, outra vez em parceria com Bernad Taupin. Don't Let the Sun Come down on Me e The Bitch is Back foram singles.

Too Low for Zero, de 1983, também deu duas canções ao concerto: I Guess That's Why They Call It the Blues e I'm Still Standing.

Dois dos temas mais antigos são Tiny Dancer e Levon, que fazem parte de um disco de 1971, Madman Across the Water. Antes, em 1970, edita o álbum homónimo de que saiu Your Song.

O alinhamento do concerto:

Funeral for a Friend /Love Lies Bleeding

The Bitch Is Back

Bennie and the Jets

I Guess That's Why They Call It the Blues

Daniel

Someone Saved My Life Tonight

Looking Up

A Good Heart

Philadelphia Freedom

Rocket Man (I Think It's Going to Be a Long, Long Time)

Tiny Dancer

Levon

Goodbye Yellow Brick Road

Have Mercy on the Criminal

Sorry Seems to Be the Hardest Word

Your Song

Burn Down the Mission

Sad Songs (Say So Much)

Don't Let the Sun Go Down on Me

I'm Still Standing

Your Sister Can't Twist (But She Can Rock 'n Roll)

Saturday Night's Alright for Fighting

Encore:

Candle in the Wind

Crocodile Rock

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.