Madonna quer trabalhar com músicos portugueses

Em entrevista à revista Veja, a cantora elogia o vinho nacional mas confessa dificuldade em aprender português

Madonna está encantada com a quantidade de excelentes músicos que tem ouvido em Portugal e não vê a hora de trabalhar com eles em espetáculos com um tom mais intimista do que o habitual na sua carreira. É a própria cantora quem o afirma em entrevista à edição desta semana da revista brasileira Veja, onde conta ainda que a sua pronúncia portuguesa continua "terrível" e que o vinho local "é maravilhoso".

"É extraordinária a quantidade de ótimos músicos que oiço em Portugal, espero trabalhar com esses músicos em espetáculos mais intimistas, vai ser uma fase interessante da minha carreira, inteirar-me da cultura local é parte do motivo pelo qual estou aqui", disse Madonna.

Numa conversa em que garante que será "rebelde até ao fim", revela o seu fascínio por símbolos católicos, como a crucificação de Cristo, a dor de Maria ao ver o filho na cruz, a Santa Ceia ou a confissão, critica Donald Trump e quem vota para colocar empresários de sucesso à frente dos países para enfrentar a crise económica, Madonna elogia ainda o vinho português - "é maravilhoso".

Mas reconhece dificuldades em adaptar-se à língua: "O meu português continua terrível, tenho amigos que me corrigem a pronúncia, sou mais familiarizada com o português do Brasil, o de Portugal parece-me mais difícil, mas me viro falando um pouco de espanhol".

* Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.