Lâmpada provocou incêndio no Museu da Língua Portuguesa

Fogo que consumiu parte do centro cultural em São Paulo teve origem em curto-circuito. É um dos mais visitados da cidade

O incêndio que atingiu o Museu da Língua Portuguesa, situado no centro de São Paulo, foi causado pela troca de uma lâmpada num candeeiro, segundo relato de funcionários do centro cultural à proteção civil. Ao longo do dia de hoje, logo que os bombeiros terminem o rescaldo da operação, a perícia técnica irá confirmar ou contrariar a versão. "É provável, sim: uma simples troca de lâmpada, sem a prevenção adequada, pode causar um acidente deste género", disse entretanto Milton Bersoli, o chefe dos bombeiros no local.

O fogo que destruiu parte do museu - principalmente os dois últimos pisos de uma estrutura de três andares - deflagrou durante a tarde de segunda-feira na Estação da Luz, onde se situa o museu, e causou a morte de um dos 120 bombeiros destacados para o combater. Apesar da ajuda da chuva, o incêndio demorou três horas. Não houve mais vítimas por ser o dia de encerramento ao público. Do ponto de vista material, a maior parte do acervo cultural tem cópia digital, afirmaram os curadores do museu, o que no entanto não invalida fortes danos.

"Íamos criar novas dinâmicas no museu, que completa dez anos no próximo ano, uma triste ironia", disse Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, responsável pela conceção e instalação do museu em 2006 - um projeto do arquiteto Paulo Mendes da Rocha, coautor do novo Museu dos Coches, em Lisboa.

Geraldo Alckmin, governador do Estado de São Paulo, já disse que vai "procurar, imediatamente, a iniciativa privada para iniciar a reconstrução". Segundo outras autoridades locais, o museu, de 4,3 mil metros quadrados, tinha todos os equipamentos de segurança, mas faltava um documento.

Portugal ajuda

O ministro da Cultura, João Soares, já disse que o governo português está "absolutamente disponível" para ajudar na recuperação. Referiu que entrou em contacto com a Secretaria de Estado da Cultura do Brasil para apoiar na renovação do museu, que visitou há anos. O ministro da Cultura disse ainda que vai ainda hoje receber o cônsul de Portugal em São Paulo, que está em Lisboa, para analisar a situação. "Nós temos experiência neste tipo de acidentes. Tenho pessoalmente experiência aquando do incêndio há uns anos nos Paços do Concelho em Lisboa e meti logo mãos à obra", disse.

400 mil visitantes

O Museu da Língua Portuguesa, com 386 mil pessoas, está no top 5 dos museus mais visitados na maior cidade do Brasil, segundo dados da empresa de turismo e eventos SPTuris, atrás apenas do Museu da Imagem e do Som, do Catavento Cultural, da Pinacoteca e do Museu do Futebol.

Tecnológico e interativo, a sua principal imagem de marca, o museu foi criado para apresentar as origens, a história e a evolução da língua falada por 270 milhões de pessoas em todo o mundo (ver caixa). No segundo e no terceiro andares, os afetados pelo incêndio, ficavam a Praça da Língua, onde palavras eram projetadas no espaço, as Palavras Cruzadas, totens interativos que mostravam a influência de línguas e povos no português, a Grande Galeria, um ecrã de 106 metros com filmes sobre o uso da língua. No primeiro andar, que escapou à devastação, situa-se uma escultura de aço chamada a Árvore da Língua.

"Era tratado como uma ideia maluca: vocês vão expor o quê? Palavras?", lembrou ao jornal Folha de S. Paulo o antropólogo e poeta Antonio Risério, um dos idealizadores do projeto. "E sim", explica, "foi criado para ser um parque de diversões da língua".

Incêndio de 1946

É a segunda vez que a Estação da Luz, cuja construção coincidiu com o enriquecimento de São Paulo graças ao comércio de café, é atingida por um fogo. Na primeira, em novembro de 1946, a estrutura foi reconstruída segundo o projeto original que lembra a londrina Abadia de Westminster, onde está o relógio Big Ben, e terá tido origem criminosa. O fogo deu-se dois dias antes de ficar acertada a transferência da São Paulo Railway Company, cujos escritórios ficavam na estação, para a alçada do governo brasileiro, e consumiu todos os documentos da empresa.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.