José Espinho, designer industrial sem saber que o era

O seu trabalho está espalhado por Lisboa e o Museu do Design mostra, pela primeira vez, o seu percurso. Até 6 de maio

Não há volta a dar nem disso faz segredo Maria José Espinho Galamba. "O meu pai não foi reconhecido pelos seus pares." É uma mágoa que tem e que a exposição José Espinho. Vida e Obra até 6 de maio no MUDE - Museu do Design pode alterar, fazendo luz sobre o trabalho do designer que criou para hotéis como Ritz, o Mundial, o Tivoli ou o Estoril-Sol, que desenhou os estiradores que ainda são usados no Instituto Superior Técnico e as cadeiras onde os clientes se sentam na cervejaria Solmar.

A partir do trabalho de investigação da curadora da exposição, Graça Pedroso, sobre mobiliário português, desfia-se um percurso de 40 anos de trabalho de José Espinho (1915-1973), que começa na Câmara Municipal de Lisboa, onde trabalha com Leitão de Barros, nas marchas populares e na ilustração de livros, uma vez terminado o curso da escola António Arroio com a especialização em desenho de litografia.

"A obra é muito diversa, vasta e importante, sobretudo para a cidade de Lisboa", contextualiza Bárbara Coutinho, diretora do MUDE e cocomissária da mostra, mais uma dentro da prioridade estratégica do museu de abordar figuras da história do design português (por lá passaram António Garcia e Eduardo Afonso Dias).

Nada dado a academismos, chamava-se a si mesmo "a mulher-a--dias da decoração", revela Maria José, a mais nova de três filhos, que chegou a secretariar o pai no seu ateliê. Prometeu à mãe que um dia faria justiça à obra do pai. Enquanto percorre a exposição no piso 3 do MUDE diz várias vezes: "Não pense que digo que é preciso falar do meu pai como filhinha, é pelo trabalho."

Espinho nasceu no tempo em que ser arquiteto de interiores não era profissão, em que o design não era disciplina, não se falava em design industrial, e ele era "decorador". "Era designer industrial e não deu por isso", sintetiza Carlos Galamba, genro, também designer.

De Beringel para Lisboa

O talento de Espinho é notado por quem frequenta a mercearia da mãe, em Beringel, Beja. O pequeno desenha no papel de embrulho e um conhecido da família convence-o a ir para Lisboa estudar. Vive no Patronato para a Infância até começar a vender os seus desenhos.

Desenhava no papel de embrulho da mercearia da mãe

Em casa, tinham um pai "para a frente", que queria que os filhos "vissem de tudo", que adorava fotografia e filmar. Alguns dos seus filmes abrem a exposição. Mostram trabalho e o seu sentido de humor. Num deles, vemo-lo em Paris a dançar na rua. "O meu pai era assim." São filmes para ver sentado no cadeirão laranja da casa da família na Prainha, que Maria José recuperou. É obra de José Espinho, mas é mais do que isso. É uma parte da história do design português do século XX. Aqui se sentaram António Garcia, o dono dos móveis Sousa Braga e Daciano da Costa. Todos concordavam: "É preciso falar mais do teu pai."

Alma da Olaio

Sucedem-se, cronologicamente, as suas fases. Há uma marca historicista nos primeiros trabalhos, gráficos e de mobiliário, Espinho trabalha com o arquiteto Keil do Amaral, que lhe fala pela primeira vez nos móveis Olaio. O trabalho de mais de 20 anos para essa fábrica tem um cunho moderno, que a exposição salienta. Chegou a muitas casas portuguesas e a instituições públicas como a Escola Superior de Enfermagem ou a RTP e, no boom do turismo, a hotéis da cidade. Para a exposição vieram cadeirões do hotel Ritz. Do Estoril-Sol restam uma cadeira desdobrável e uma mesa de apoio. O que resiste atinge preços dignos de raridade e estatuto de obra de arte. É nessa qualidade que o trabalho de Espinho chega à galeria Bessa Pereira em 2013. Por estes dias também pode ser visto no Museu de Cerâmica de Sacavém, na exposição da fábrica de móveis Olaio.

José Espinho. Vida e obra no MUDE - Museu do Design e da Moda, de terça a domingo, das 10.00 às 18.00. Até 6 de maio. Entrada livre

"A arquitetura de interiores é a mais efémera e está mais sujeita à mudança de gosto, à transformação dos usos e à apropriação de cada um", explica a diretora do MUDE, abrindo a porta a um debate sobre o que deve, ou não, ser preservado. "Não temos sido capazes de avaliar o que são os espaços que merecem ser património classificado", considera. Não se trata de musealizar tudo. "É necessário conhecer os espaços e avaliar a sua representatividade e a sua importância para a nossa identidade e património."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.