João Ferreira Rosa: um defensor do fado tradicional

O fadista João Ferreira-Rosa, que morreu hoje aos 80 anos, foi um "irredutível defensor do fado tradicional", que construiu um repertório marcado pela "autenticidade", afirma a Associação Portuguesa dos Amigos do Fado (APAF).

João Ferreira-Rosa "foi um irredutível defensor do fado tradicional, que fez uma carreira de mais de 50 anos interpretando sempre fado tradicional, autor de vários poemas, como 'Triste Sorte', e também de melodias, sempre no veio tradicional, como os denominados Fado Alcochete e o Fado Pintéus", disse à Lusa Julieta Estrela de Castro, presidente da APAF.

A responsável realçou "a longa carreira com êxitos que são, hoje, incorporados nos repertórios de outros fadistas e, rapidamente, reconhecidos pelo grande público, casos do emblemático 'Embuçado', 'Triste Sorte', 'Acabou o Arraial' ou 'Fragata', este último que interpreta no fado Vianinha".

O criador de "Os Saltimbancos" (Isidoro Maria d'Oliveira/Fado Mouraria) "foi senhor de uma voz muito característica e uma divisão do verso perfeita, que entronca na mais legítima escola fadista, com uma interpretação autêntica, logo única, fator diferenciador e essencial no fado".

O fadista João Ferreira-Rosa, de 80 anos, morreu hoje de manhã no hospital de Loures, nos arredores de Lisboa, disse à agência Lusa fonte próxima do artista.

João Ferreira-Rosa nasceu em Lisboa, na freguesia de S. Mamede, em 16 de fevereiro de 1937, tendo-se estreado, profissionalmente, em 1961. O fadista foi casado com a pianista Maria João Pires e em segundas núpcias com a pintora Ana Maria Botelho (1936-2016).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.