Inês Pedrosa deixa a Casa Fernando Pessoa

(ATUALIZADA às 01:00) A diretora da Casa Fernando Pessoa, Inês Pedrosa, confirmou ao DN ter apresentado a demissão do cargo.

Na sessão desta noite dos Espaços em Volta da Casa Fernando Pessoa a diretora da instituição, Inês Pedrosa, enviou uma mensagem em que comunica a sua saída do cargo.

Sem explicar as razões da sua saída, Pedrosa agradeceu todos os que colaboraram na Casa Fernando Pessoa ao longo dos anos e pede que nunca deixem de lutar pela liberdade.

A mensagem de Pedrosa foi lida pela poeta e jornalista Filipa Leal que é uma das organizadoras dos Espaços em Volta.

Ao DN, a jornalista e escritora confirmou ter apresentado a demissão.

"Pedi a rescisão porque tenho projetos novos", afirmou Inês Pedrosa à Lusa, prometendo mais detalhes nas próximas semanas.

A escritora disse que a demissão, comunicada "há alguns dias" à EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, tutelada pela Câmara Municipal de Lisboa), decorre também dos seis anos que leva à frente da Casa Fernando Pessoa. "Não quer dizer que não tenha gostado muito de cá estar, mas o essencial que queria fazer está feito."

Inês Pedrosa destacou que deixa "uma biblioteca de Pessoa aberta ao mundo, um 'Sonhatório' [sala multimédia] e um serviço educativo que trabalha com escolas do país todo" e "agora é altura de abrir espaço para ideias e pessoas novas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...