Homem-Aranha tem de ser "branco e heterossexual"

Foram divulgados os requisitos da Marvel para a adaptação do super-herói ao cinema. Entre as muitas exigências, o Homem-Aranha não pode torturar e quanto à linguagem... nada de asneiras.

O ataque informático à Sony Pictures no ano passado continua a ter repercussões. Agora foram revelados os requisitos da Marvel para a passagem do Homem-Aranha da banda desenhada para o cinema. E não são poucos. Destacam-se logo as exigências que tanto Peter Parker como o seu alter ego têm de ser de raça branca e heterossexuais.

Segundo o jornal espanhol ABC, a WikiLeaks revelou esta semana vários documentos privados que mostram as exigências acordadas entre a Sony Pictures e a Marvel em 2011. O Homem-Aranha deve então ser um verdadeiro exemplo: não pode fumar, nem exagerar nas bebidas alcoólicas, nada de drogas, nem relações sexuais com menores de 16 anos, nem antes de ele próprio ter 16 anos. Na sua eterna luta contra o mal, não pode torturar e só poderá matar se for em legítima defesa ou para defender terceiros. E cuidado com as asneiras, a linguagem utilizada nos filmes tem de ser adequada para adolescentes de 13 anos.

No acordo ficou ainda determinado que a história de Peter Parker é para ser respeitada, ou seja, foi criado pelos tios em Nova Iorque e os seus poderes surgem após ser mordido por uma aranha quando está na universidade.

Estas exigências da Marvel têm como objetivo garantir que adaptações dos "comics" sejam o mais fiéis possíveis. Em 2017 deverá surgir um novo filme do Homem-Aranha, faltando saber quem irá suceder a Tobey Maguire e Andrew Garfield no papel do super-herói.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.