"Há várias Autoeuropas no País. Temos de criar cadeia de valor em torno delas"

Numa parceria entre a Nova School of Business and Economics e a Spira, com o apoio da Fundação Millennium bcp, o estudo "Património Cultural em Portugal: Avaliação do Valor Económico e Social" quer fazer um retrato do património construído exigente e apontar o seu potencial para gerar riqueza e emprego a nível local

Fazer uma avaliação do valor económico e social do sector patrimonial em Portugal para perceber como este ativo pode ser utilizado como âncora de desenvolvimento económico e social a nível regional é um dos grandes objetivos do estudo "Património Cultural em Portugal: Avaliação do Valor Económico e Social", hoje apresentado. Nesse sentido, a empresa Spira, da área da revitalização e valorixzação patrimonial, estabeleceu uma parceria com a Nova School of Business and Economics a que se juntou também o Observatório do Patrimimónio.

"Há várias Autoeuropas espalhadas pelo país. Temos de criar cadeia de valor em torno delas", defendeu a diretora-geral da Spira, referindo-se a alguns exemplos de património classificado que podem servir como motores de desenvolvimento a nível regional até porque, uma das primeiras conclusões a que o estudo, inicado há quatro meses, já chegou é que o património classificado é um bem que se distribui harmoniosamente por todo o país.

O ponto de partida para a análise económico-social é o universo de cerca de 4500 imóveis classificados e assenta num inquérito a realizar de forma personalizada, junto de cada um dos 308 concelhos, para identificar os bens mais valorizados localmente que tenham portas abertas, empregos associados e receitas diretas. Um método que irá permitir quantificar o número de visitantes potenciais em cada concelho, empregos e receitas que poderiam ser geradas, em comparação com a realidade.

Outro dos coordenadores do trabalho, José Maria Lobo de Carvalho, do Observatório do Património, disse que "as visitas a alguns monumentos revelam uma taxa de crescimento superior à taxa de crescimento do turismo", e um dos monumentos citados foi o Castelo de S. Jorge, em Lisboa.

O estudo vai analisar, paralelamente, casos concretos, nomeadamente, a nível nacional, os Parques de Sintra-Monte da Lua, as Fortalezas de Elvas, a Rota do Românico, Belmonte, na Beira Baixa, Óbidos, na Estremadura, a Rede de Museus da Baleação, na Ilha do Pico, a ilha da Madeira e a Fortaleza de Sagres, no Algarve.

No final do ano, quando for apresentado, incluirá também comparação com outros modelos de gestão de referência a nível internaciona, como o National Trust britânico ou o fracês Culturespaces.

Outra vertente do estudo é a caracterização do sistema de gestão patrimonial de Portugal que, nos útlimos 40 anos "baralhou e voltou a dar", como referiu José Tavares da Nova SBE. Uma ilação tirada após uma sumária apresentação de José Maria Lobo de Carvalho, do Observatório do Património. Que mostrou como a atual Direção-Geral do Património é um regresso à mesma Direção-geral criada em 1974 e que após várias organizações do sector, em 2012 se voltou a esse organismo.

No final, com todos os dados recolhidos, o estudo pretende ainda fazer recomendações estratégicas para o sector num horizonte temporal de dez anos. Porque, como referiu Catarina Valença Gonçalves, essa é uma ferramenta que a generalidade dos países europeus possuem e que até Marrocos tem. Mas Portugal não.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.