Governo passa Fortaleza de Peniche para o Património Cultural para a transformar em museu

A transferência do monumento para a Direção-Geral do Património Cultural tem em vista a recuperação e instalação de um museu nacional da luta pela liberdade e democracia

O Governo transferiu a Fortaleza de Peniche para a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) tendo em vista o plano para a recuperação daquele monumento e a instalação de um museu nacional da luta pela liberdade e pela democracia. Esta transferência é oficializada esta quinta-feira numa portaria publicada em Diário da República.

Os Ministérios das Finanças e da Cultura determinaram "afetar a Fortaleza de Peniche à Direção-Geral do Património Cultural" depois de, em junho, o Governo ter decidido avançar com um plano de recuperação para o monumento e vir aí a instalar um museu nacional dedicado à luta pela liberdade e pela democracia, refere a portaria.

Já em abril, após o conselho de ministros realizado em Peniche, o Governo tinha determinado que o futuro museu ficará na tutela da DGPC.

Nessa ocasião, anunciou um investimento de 3,5 milhões de euros para avançar com obras de reabilitação do monumento, criando condições para a antiga prisão do Estado Novo ser transformada num museu nacional dedicado à luta pela liberdade e pela democracia.

"A Fortaleza de Peniche vê assim reconhecido o seu papel enquanto símbolo de resistência, de luta pela liberdade, de solidariedade e de cultura, transmitindo às novas gerações os valores da democracia, estando indissociavelmente ligada à memória de todos aqueles que lutaram heroicamente contra a repressão do Estado Novo", sublinha o Governo na portaria hoje publicada.

Em setembro de 2016, a Fortaleza de Peniche foi integrada pelo Governo na lista de monumentos históricos a concessionar a privados, no âmbito do programa Revive, mas passados dois meses foi retirada pela polémica suscitada.

Em abril, a Assembleia da República defendeu em plenário, da esquerda à direita, a requalificação da Fortaleza de Peniche e a preservação da sua memória histórica enquanto ex-prisão política da ditadura.

A avaliação do estado de degradação do monumento aponta para obras de requalificação orçadas em 3,2 milhões de euros, de acordo com o relatório da inspeção efetuada pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto a pedido da DGPC, a que a Lusa teve acesso.

Num relatório idêntico, a Câmara Municipal de Peniche estimou em 5,5 milhões de euros as intervenções consideradas urgentes.

A Fortaleza de Peniche, classificada como monumento nacional desde 1938, foi uma das prisões do Estado Novo de onde se conseguiram evadir, entre outros, o histórico secretário-geral do PCP, Álvaro Cunhal, em 1960, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate ao regime ditatorial.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.