GNR levam "Psicopátria" ao Super Bock Super Rock

O grupo assinala os 30 anos do disco com concerto a 16 de julho do Parque das Nações.

Depois de no dia 9 de março, os GNR terem regressado a Psicopátria com um concerto no Teatro Rivoli, no Porto, o grupo vai repetir a aventura no próximo festival Super Bock Super Rock, em Lisboa. O concerto em português vai acontecer no dia 16 de julho, no Palco EDP - o mesmo palco onde vão atuar também FIDLAR e Kelela, na mesma noite onde, no palco principal, vão estar Orelha Negra e Kendrick Lamar.

Com este concerto, os GNR assinalam os 30 anos de Psicopátria. Com uma capa desenhada por Fátima Rolo Duarte e baseada numa fotografia antiga da Ribeira portuense da autoria de Beatriz Ferreira, o disco foi lançado em Setembro de 1986. O concerto de apresentação teve lugar no Voxmania e foi aí que se ouviram pela primeira vez ao vivo temas como Efectivamente, Bellevue, Nova Gente ou Pós Modernos que viriam a tornar-se grandes êxitos. Psicopátria foi o disco que levou os GNR às grandes salas, como o Coliseu dos Recreios, em abril de 1987.

Os GNR tinham nascido em 1980 e lançaram o seu primeiro single, Portugal na CEE, em 1981. O álbum Independança chegou no ano seguinte mas, apesar de levar o grupo ao festival Vilar de Mouros, não foi um grande sucesso de vendas. Seguiram-se Defeitos Especiais (1984) e Os Homens Não se Querem Bonitos (1985), que tinha o tema Dunas, um sucesso imediato. Psicopátria foi o disco que marcou definitivamente a profissionalização da banda e o seu papel incontornável na história da pop nacional.

No palco do Super Bock Super Rock, vão estar Rui Reininho, Jorge Romão e Toli César Machado, os três elementos dos GNR, que vão retomar o alinhamento original do disco - incluindo temas menos conhecidos como O Paciente, Dá Fundo, Cerimónias, Ao Soldado Desconfiado, Choque Frontal, To Miss e o instrumental Coimbra B.

O festival Super Bock Super Rock realiza-se de 14 a 16 de julho no Parque das Nações, em Lisboa. Entre os nomes já confirmados no cartaz estão Disclosure, The National, Massive Attack & Young Fathers, Iggy Pop e Bloc Party.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.