"Fiquei sem carro, vou fazer o quê? Dançar"

Um dia depois do incêndio que destruiu 422 veículos, o Andanças continua a sua programação. "Tudo tranquilo, sem stress", pelo menos para a maioria dos festivaleiros.

Quando Carolina chega à aula de danças brasileiras já estão todos a dançar ao som de Marisa Monte, seguindo as instruções do professor Junior Valenski. Carolina atira a mochila e os chinelos para um canto e entra na roda. Dois passos em frente, dois passos para trás, gira com as mãos no ar. Toda a gente quase ao mesmo tempo. Quase. "Se não fizer certo não faz mal, vamos tentando", incentiva o brasileiro através do microfone. O calor aperta mas de vez em quando sentem-se uns borrifos frescos na cara. Carolina tem facilidade em entrar no ritmo. "Gosto muito de dançar", conta, no intervalo da aula, para beber uma água. "Para quem gosta de dançar, o Andanças é o paraíso." E nem o calor nem o incêndio que na quarta-feira destruiu mais de 400 carros num dos parque de estacionamento fizeram os festivaleiros desistir.

"Não sabemos quantas pessoas foram embora por causa do incêndio e também não conseguimos saber com exatidão quantas pessoas estão aqui hoje", diz Catarina Serrazina, da Pé de Xumbo, organizadora do festival que existe desde 1996. O Andanças dura uma semana - de 1 a 7 de agosto - e todos os dias há pessoas a entrar e a sair. Pode-se comprar bilhetes para um dia ou para dois ou para mais. E à entrada o controlo das pulseiras não é eletrónico, por isso as contas não são exatas. "Esperávamos 40 mil pessoas, é provável que por causa do incêndio sejam menos."

Na quarta-feira à tarde viveram-se horas difíceis. "Estava na tenda e de repente começámos a ver um fumo negro. Quando vi o local em que o fogo aconteceu, percebi logo que o meu carro tinha sido um dos afetados", conta Waty Barbosa, professor de danças cabo-verdianas que há 18 anos dá aulas no Andanças. "Tínhamos instrumentos na carrinha e outro material. Havia pessoas que tinham deixado roupas ou o computador." Waty não parece muito perturbado. "Vou fazer o quê? Dançar, claro", ri-se, sentando-se numa esplanada, bebendo uma cidra fresca pelo seu púcaro. "Tenho seguro contra todos os riscos, só posso esperar. Vou ficar até ao fim, como sempre fico, e depois logo se vê como é que volto para casa."

Uma viola no meio do caos

Assim que foi acionado o plano de emergência, todas as pessoas foram levadas para o lado oposto da barragem. "Toda a gente manteve a calma. Logo alguém começou a cantar, havia uma viola aqui, um acordeão ali, e começaram a surgir pequenos bailes", conta Antonella. Depois a organização distribuiu alguns alimentos e assim que possível todos voltaram para as suas tendas e as atividades foram retomadas. "Neste momento, temos duas prioridades: continuar a programação e ajudar as pessoas que foram mais diretamente afetadas", explica Catarina Serrazina. Foi criada uma comissão de crise que recolheu as identificações e os contactos dos proprietários dos veículos atingidos e tenta resolver os problemas mais urgentes. As câmaras de Castelo de Vide e de Nisa disponibilizaram-se a garantir o transporte a todos os que ficaram sem viatura, embora, como aquele parque foi usado pelas primeiras pessoas a chegar ao festival (artistas, voluntários e outros trabalhadores), muitos deles só vão precisar dessa ajuda no final do evento. Ontem, durante todo o dia, a GNR manteve a zona incendiada interdita enquanto fazia a sua peritagem. Só depois poderão entrar em ação as seguradoras.

Um mar de carros cinzentos, destruídos, pode ser desolador para quem chega ao Andanças, mas dentro do recinto a vida decorre normalmente. Junto ao riacho, as crianças brincam. Os pais estendem-se na toalha. Há quem durma a sesta, há quem leia. Todos com os seus púcaros pendurados à cintura, porque no Andanças não há copos - os púcaros custam um euro e podem ser devolvidos no final.

"Tudo tranquilo, sem stress"

Um pequeno paraíso à sombra. Nuno e Sandra descansam com os três filhos - Ani de 2 anos, Noa de 7 e Ema de 10. "Isto não é bem um festival, é um encontro, uma partilha", diz o pai. "Para os miúdos é fabuloso, eles adoram." Há até uma casinha de madeira, fresca e silenciosa, onde os bebés podem dormir a sesta. "Cocó Cacá, a galinha foi-se embora e o galinho ficou só" - esta é a voz de Sofia, dos Contabandistas, a cantar a música do galo namoradeiro, chamando os pequenos para o palco ali ao lado. Sofia, madeirense, contadora de histórias, há doze anos que vem ao festival: "O melhor do Andanças? A liberdade. A conexão com a natureza. Este coletivo harmonioso."

"Já viu como os miúdos andam aqui à vontade?", pergunta André, apontando para Catarina, nem 2 anos tem e lá vai ela de pés descalços, com a pulseira vermelha no tornozelo, passeando por entre estranhos. Antonella acrescenta: "Podemos deixar as coisas onde quisermos, ninguém rouba nada. O espírito do Andanças é este. Tudo tranquilo, sem stress." A ligação à natureza foi algo que o festival ganhou quando, há quatro anos, se mudou para a barragem de Póvoa e Meada, em Castelo de Vide. As árvores, o riacho, os recantos encontrados com almofadas, o campismo, tudo melhorou.

Há atividades para todos os gostos - desde fazer pão no forno a lenha a receber massagens. Enquanto um grupo dança o baião brasileiro, mais à frente há outro palco onde o acordeão marca os compassos das danças folclóricas portuguesas e noutro procura-se acertar os passos ao ritmo de Itália. Maria do Céu e Graça, amigas sexagenárias, percorrem o recinto à procura da dança do ventre: "Deslocadas, nós? Não. Estamos a adorar." Têm uma autocaravana que lhes proporciona algum conforto, mas quanto ao resto desfrutam do festival tanto quanto os jovens de rastas no cabelo e piercing no nariz. "Já fizemos danças africanas, orientais, portuguesas... E a meditação e o yoga ao final do dia." Num dos palcos, Catarina Ascensão orienta um workshop de "conexão e escuta no baile". O desafio é esquecer o acordeão do palco ao lado e meditar um pouco. "Abram os olhos e abracem a pessoa ao vosso lado. Sintam o abraço", diz Catarina. Os abraços acontecem. "Não vão ficar para o baile logo à noite", pergunta Waty. "Vamos pôr música e vai ser muito animado. É sempre."

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.