Festival com cartaz de luxo: icónicos nomes do rock vão lá estar

Organizadores de um dos mais populares festivais mundiais quiseram preparar um outro único. Juntaram seis dos maiores nomes do rock

Nas últimas semanas muito se falava do desejo dos organizadores do famoso festival californiano Coachella em ter um evento com alguns dos maiores nomes do rock. O cartaz foi agora confirmado e é de luxo: Rolling Stones, Bob Dylan, Paul McCartney, Neil Young, Roger Waters e os The Who.

Será a primeira vez que todos estes músicos irão participar no mesmo festival, segundo o Los Angeles Times. Numa altura em que ainda decorriam as negociações o agente de Neil Young afirmou que seria algo "muito especial". "Provavelmente não se terá uma possibilidade para ver um cartaz como este novamente. É um festival que anseio como há muito não o fazia", confessou ao Los Angeles Times.

Também Roger Daltrey, vocalista dos The Who, mostrou-se entusiasmado com os concertos. "É uma ideia fantástica para um festival", afirmou ao Toronto Sun.

O local do festival Desert Trip será o mesmo do Coachella, na cidade de Indio, na Califórnia (EUA). No dia 7 de outubro será para os Rolling Stones e Bob Dylan. A 8 será a vez de Paul McCartney e Neil Young e no domingo 9, Roger Waters e The Who sobem ao palco.

Quanto ao preço de bilhetes, um dia custará 199 dólares (cerca de 172 euros), enquanto o passe para os três dias será 399 dólares (345 euros). Quem pretender lugares mais privilegiados então a escolha irá variar entre os 699 e os 1599 dólares (cerca de 605 e 1384 euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.