Eurovisão do sentimento dá lugar à da aceitação das diferenças

Israelista vence concurso em Lisboa, com canção de "aceitação das diferenças. Embaixador fala de "semana muito significativa"

Salvador Sobral trouxe o sentimento para a Eurovisão, em 2017, e, neste ano, Netta Barzilai levou-a de volta ao campo político: "É uma música que celebra as diferenças, de empoderamento para todas as pessoas que se têm debatido consigo próprias, com os seus patrões, com o governo, com alguém que as pisa", voltou a sublinhar, depois da vitória, a intérprete israelita.

Uma mensagem sublinhada também pelo embaixador de Israel em Portugal, Raphael Gamzou. "Naturalmente estou muito contente, orgulhoso da escolha de uma jovem mulher como Netta, que não é um cliché de uma beleza jovem, mas mais a ideia de personalidade, o valor do talento e a mensagem da canção de que todos têm a sua identidade e que todos se devem sentir confortáveis com a sua identidade. Que a nossa alma é mais importante do que a nossa aparência exterior", elogia.

Ainda sem confirmação oficial da cidade que vai acolher a Eurovisão no próximo ano, todos acreditam que será Jerusalém, tal como aconteceu em 1979 e 1999, as duas vezes anteriores que Israel acolheu o concurso. Logo na noite da vitória, a própria disse em palco: "Amo o meu país, no próximo ano é em Jerusalém." A referência à capital foi também feita pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nas felicitações que enviou a Netta Barzilai através do Twitter. E o mesmo acrescenta o embaixador Raphael Gamzou: "Será seguramente em Jerusalém, de certeza."

Mas antes disso é tempo de celebrar e será isso certamente que vai acontecer hoje, quando Netta aterrar em Telavive. A cantora e o seu staff viajaram ontem para Israel e chegam nesta manhã, confirmou ao DN a sua equipa. Curiosamente no dia em que o país celebra o 70.º aniversário da sua fundação - uma vitória que o diplomata considera ser "uma bonita prenda para Israel".

Algo que a cantora de 25 anos já tinha referido em entrevista ao DN, antes das semifinais, que seria um grande presente. "Seria fantástico para Israel ganhar no ano do seu 70.º aniversário e ter a Eurovisão na sua casa, para que todos os turistas possam ver o quão espetacular Israel é. Sei que não temos uma grande reputação, mas Israel é espetacular, tem vibes espetaculares e convido as pessoas a verem, quer a Eurovisão seja lá ou não", disse ao DN a 3 de maio.

A chegada a Israel da vencedora da Eurovisão acontece num momento em que os EUA inauguram a sua embaixada em Jerusalém (ver mais noticiário na página 24). No que o embaixador de Israel em Lisboa classifica como "uma semana muito significativa" para o país. Antecipando que hoje haverá "uma grande celebração para Netta e com Netta na Praça Rabin, em Telavive".

Festa para a comunidade LGBT

Sobre receber a Eurovisão, o diplomata lembra que esta não é primeira vez que o país recebe o concurso - a primeira foi em 1979 e a segunda em 1999 e a próxima será em 2019 (todas com 20 anos de diferença) - e que tudo estará a postos. "Será uma grande celebração, uma grande festa para a comunidade LGBT e será uma outra oportunidade para a comunidade LGBT receber e celebrar com gays de toda a Europa, e nós damos as boas-vindas a todos na Gay Parade, do próximo mês [e onde Netta estará] e na Eurovisão do próximo ano."

Raphael Gamzou elogiou ainda a organização portuguesa: "Quero cumprimentar Portugal pelo bom trabalho na organização de uma grande Eurovisão, tanto a RTP, como a Câmara Municipal de Lisboa e a RTP, todos fizeram um excelente trabalho."

A cantora natural de Hod HaSharon, no distrito central de Israel, venceu a competição com 93 pontos de avanço em relação ao segundo lugar, conquistado por Eleni Foureira, representante de Chipre. Quando chegou a Lisboa no final de abril, Netta era a grande favorita à vitória, mas ao longo das duas semanas de ensaios, semifinais e final foi perdendo terreno e acabou ultrapassada pela intérprete de Fuego.

Pelo caminho, a sua música que foi escrita como apoio ao movimento #MeToo, foi ainda criticada pelo anterior vencedor da Eurovisão, o português Salvador Sobral, que no sábado entregou o troféu da vitória a Netta. Após a vitória, a israelita elogiou Eleni Foureira pela sua prestação e enviou "amor" a Salvador Sobral. "Senti que ele me respeita. Deu-me o microfone e apenas lhe desejo amor."

Um troféu que se partiu ainda a cantora estava em palco. O que obrigou Jon Ola Sand, o presidente da EBU (União Europeia de Radiotelevisão, a responsável pela organização da Eurovisão), a entregar um novo microfone a Netta durante a conferência de imprensa.

Visivelmente emocionada, Netta Barzilai não fugiu às questões sobre as críticas que foram feitas pelo cantor de Amar pelos Dois. "Música é música, sempre disse isso. É estranho comparar géneros de música, mas para a maioria me escolher é inovador. Sempre disse que estava em competição comigo mesma, nervosa com a minha prestação, chegar ao maior número de pessoas", frisou, na conferência de imprensa.

Mais uma vez, a jovem de 25 anos sublinhou que a sua música é um sinal de força para todos os que são diferentes. Tal como ela faz: "Sou eu própria, celebro-me, independentemente do meu tamanho, como está o meu cabelo ou a minha voz." E acredita que alguém aparecer na televisão a dizer e a fazer isso mesmo ajuda a que jovens como ela, que são vítimas de bullying, tenham coragem. "Acho que o meu "eu" mais jovem seria menos infeliz se tivesse um exemplo como o meu no horário nobre da televisão. É por isso que estou a fazer isto nesta plataforma. E estou feliz por o ter feito."

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."