Eurovisão do sentimento dá lugar à da aceitação das diferenças

Israelista vence concurso em Lisboa, com canção de "aceitação das diferenças. Embaixador fala de "semana muito significativa"

Salvador Sobral trouxe o sentimento para a Eurovisão, em 2017, e, neste ano, Netta Barzilai levou-a de volta ao campo político: "É uma música que celebra as diferenças, de empoderamento para todas as pessoas que se têm debatido consigo próprias, com os seus patrões, com o governo, com alguém que as pisa", voltou a sublinhar, depois da vitória, a intérprete israelita.

Uma mensagem sublinhada também pelo embaixador de Israel em Portugal, Raphael Gamzou. "Naturalmente estou muito contente, orgulhoso da escolha de uma jovem mulher como Netta, que não é um cliché de uma beleza jovem, mas mais a ideia de personalidade, o valor do talento e a mensagem da canção de que todos têm a sua identidade e que todos se devem sentir confortáveis com a sua identidade. Que a nossa alma é mais importante do que a nossa aparência exterior", elogia.

Ainda sem confirmação oficial da cidade que vai acolher a Eurovisão no próximo ano, todos acreditam que será Jerusalém, tal como aconteceu em 1979 e 1999, as duas vezes anteriores que Israel acolheu o concurso. Logo na noite da vitória, a própria disse em palco: "Amo o meu país, no próximo ano é em Jerusalém." A referência à capital foi também feita pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nas felicitações que enviou a Netta Barzilai através do Twitter. E o mesmo acrescenta o embaixador Raphael Gamzou: "Será seguramente em Jerusalém, de certeza."

Mas antes disso é tempo de celebrar e será isso certamente que vai acontecer hoje, quando Netta aterrar em Telavive. A cantora e o seu staff viajaram ontem para Israel e chegam nesta manhã, confirmou ao DN a sua equipa. Curiosamente no dia em que o país celebra o 70.º aniversário da sua fundação - uma vitória que o diplomata considera ser "uma bonita prenda para Israel".

Algo que a cantora de 25 anos já tinha referido em entrevista ao DN, antes das semifinais, que seria um grande presente. "Seria fantástico para Israel ganhar no ano do seu 70.º aniversário e ter a Eurovisão na sua casa, para que todos os turistas possam ver o quão espetacular Israel é. Sei que não temos uma grande reputação, mas Israel é espetacular, tem vibes espetaculares e convido as pessoas a verem, quer a Eurovisão seja lá ou não", disse ao DN a 3 de maio.

A chegada a Israel da vencedora da Eurovisão acontece num momento em que os EUA inauguram a sua embaixada em Jerusalém (ver mais noticiário na página 24). No que o embaixador de Israel em Lisboa classifica como "uma semana muito significativa" para o país. Antecipando que hoje haverá "uma grande celebração para Netta e com Netta na Praça Rabin, em Telavive".

Festa para a comunidade LGBT

Sobre receber a Eurovisão, o diplomata lembra que esta não é primeira vez que o país recebe o concurso - a primeira foi em 1979 e a segunda em 1999 e a próxima será em 2019 (todas com 20 anos de diferença) - e que tudo estará a postos. "Será uma grande celebração, uma grande festa para a comunidade LGBT e será uma outra oportunidade para a comunidade LGBT receber e celebrar com gays de toda a Europa, e nós damos as boas-vindas a todos na Gay Parade, do próximo mês [e onde Netta estará] e na Eurovisão do próximo ano."

Raphael Gamzou elogiou ainda a organização portuguesa: "Quero cumprimentar Portugal pelo bom trabalho na organização de uma grande Eurovisão, tanto a RTP, como a Câmara Municipal de Lisboa e a RTP, todos fizeram um excelente trabalho."

A cantora natural de Hod HaSharon, no distrito central de Israel, venceu a competição com 93 pontos de avanço em relação ao segundo lugar, conquistado por Eleni Foureira, representante de Chipre. Quando chegou a Lisboa no final de abril, Netta era a grande favorita à vitória, mas ao longo das duas semanas de ensaios, semifinais e final foi perdendo terreno e acabou ultrapassada pela intérprete de Fuego.

Pelo caminho, a sua música que foi escrita como apoio ao movimento #MeToo, foi ainda criticada pelo anterior vencedor da Eurovisão, o português Salvador Sobral, que no sábado entregou o troféu da vitória a Netta. Após a vitória, a israelita elogiou Eleni Foureira pela sua prestação e enviou "amor" a Salvador Sobral. "Senti que ele me respeita. Deu-me o microfone e apenas lhe desejo amor."

Um troféu que se partiu ainda a cantora estava em palco. O que obrigou Jon Ola Sand, o presidente da EBU (União Europeia de Radiotelevisão, a responsável pela organização da Eurovisão), a entregar um novo microfone a Netta durante a conferência de imprensa.

Visivelmente emocionada, Netta Barzilai não fugiu às questões sobre as críticas que foram feitas pelo cantor de Amar pelos Dois. "Música é música, sempre disse isso. É estranho comparar géneros de música, mas para a maioria me escolher é inovador. Sempre disse que estava em competição comigo mesma, nervosa com a minha prestação, chegar ao maior número de pessoas", frisou, na conferência de imprensa.

Mais uma vez, a jovem de 25 anos sublinhou que a sua música é um sinal de força para todos os que são diferentes. Tal como ela faz: "Sou eu própria, celebro-me, independentemente do meu tamanho, como está o meu cabelo ou a minha voz." E acredita que alguém aparecer na televisão a dizer e a fazer isso mesmo ajuda a que jovens como ela, que são vítimas de bullying, tenham coragem. "Acho que o meu "eu" mais jovem seria menos infeliz se tivesse um exemplo como o meu no horário nobre da televisão. É por isso que estou a fazer isto nesta plataforma. E estou feliz por o ter feito."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.