Eis os 14 finalistas do Festival da Canção, de Anabela a Rui David

Um deles será o sucessor de Salvador Sobral e o representante de Portugal no Festival da Eurovisão, que se realiza em Lisboa a 12 de maio.

Anabela

Cantou Para Te Dar Abrigo, tema com letra de Tiago Torres da Silva e música de Fernando Tordo. A cantora e atriz já representou Portugal na Eurovisão. Foi em 1993 com o tema A Cidade (até ser dia). Tem 41 anos e já editou vários discos. É presença assídua nos musicais de Filipe La Feria, como Jesus Christ Superstar, Música no Coração ou Amália.

Catarina Miranda

Para Sorrir eu não Preciso de Nada, cantou Catarina Miranda. Um tema com música de Júlio Resende e letra de Camila Ferraro que conquistou 8 pontos do público e 8 pontos do júri na primeira semifinal. Catarina Miranda, de 28 anos, é natural de Trás-os-Montes e mais conhecida pelo seu alter ego musical Emmy Curl. Em 2010 editou o seu primeiro EP, Birds Along the Lines, pela Optimus Discos.

Cláudia Pascoal

A vocalista dos Morhua, banda de fusão do jazz, blues e gipsy que trabalha num primeiro trabalho, toca guitarra desde os 15 anos. Aos 23, participou no programa televisivo The Voice. Antes, foi apresentadora do programa Curto Circuito. Canta O Jardim de Isaura, uma música que a compositora fez depois da morte da avó. Isaura diz que Cláudia tem "uma voz imperfeita que é perfeita".

David Pessoa

David Pessoa é membro das bandas Fogo-Fogo, banda de funaná, e Cais Sodré Funk Connection. Estreou-se nos discos em nome próprio com Fazer-me à sorte (2015). Canta Amor Veloz de Francisco Rebelo.

Diogo Piçarra

O cantor algarvio de 27 anos venceu o programa televisivo Ídolos em 2012. A sua discografia conta com Espelho (2015) e do=s (2017). Foi um dos convidados a atuar no concerto que assinalou o dia da tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente da República. Canta Canção do Fim, uma música que diz ser uma crítica à sociedade. Em palco surgiu acompanhado por violinistas de olhos vendados.

Janeiro

Interpretou uma música Sem Título e foi o escolhido com a votação máxima do júri na primeira semifinal. Chama-se Henrique Janeiro e foi o músico escolhido por Salvador Sobral para esta edição do festival. Tem 23 anos, é natural de Coimbra, estudou musicologia na Universidade Nova de Lisboa e tem formação de jazz do Hot Clube de Portugal.

Joana Barra Vaz

Subiu ao palco com a música de Francisca Cortesão (Minta) e letra de Afonso Cabral, Anda Estragar-me os Planos. A sua formação é na área de cinema. Em 2016 criou uma plataforma artística e uma editora e lançou o primeiro álbum Mergulho em Loba. Não foi a sua primeira incursão no mundo da música: em 2012 lançara o EP Passeio pelo Trilho (com o pseudónimo Flume).

Joana Espadinha

Licenciou-se em Direito e estudou jazz no conservatório de Amesterdão e no Hot Clube de Portugal. Joana Espadinha interpretou Zero a Zero, tema com letra e música de Luis Nunes (Benjamim). Tem uma carreira na música, com a participação em vários projetos e um álbum em nome próprio editado (Avesso, 2014) e outro a caminho, produzido por Benjamim.

Lili

Há muito colabora com Armando Teixeira, era a voz dos Ballerina. Canta O Voo das Cegonhas, de Armando Teixeira, uma música inspirada em contos fantásticos.

Maria Inês Paris

Prestes a fazer 22 anos, a sobrinha do músico cabo-verdiano já participou no programa The Voice Portugal. Cantou Bandeira Azul de Tito Paris, uma canção "que fala da lusofonia".

Minnie & Rhayra

Rhayra Silva, que participou no programa The Voice Angola, onde pertenceu à equipa de Paulo Flores, cantará com Minnie. Paulo Flores, voz maior do semba, editou em 2016 o disco Bolo de Aniversário. As duas cantam Patati Patata.

Peter Serrado

O cantautor luso-canadiano é filho de emigrantes portugueses no Canadá e chegou ao festival pelo concurso da Antena 1. Canta a única músicas em inglês finalista do festival. Canta desde os cinco anos e trouxe o tema Sunset.

Peu Madureira

Cantou um tema de Diogo Clemente, Só Por Ela, e conquistou a pontuação máxima do público na primeira semifinal. Pedro Madureira, conhecido por Peu, canta fado e estreou-se em 2002 numa festa de beneficência, em Sintra. Trabalha com intérpretes como Carminho, Cuca Roseta ou Carolina Deslandes.

Rui David

Interpretou Sem Medo, de Jorge Palma. Músico do norte do país, é o líder do Projeto Alarme, que revisita canções da revolução de abril dando-lhes uma musicalidade contemporânea. Também a solo costuma interpretar temas de cantautores como Sérgio Godinho ou José Afonso.

Esta noite foi sorteada a ordem de atuação das 14 canções da final.

1- Sem Medo (Rui David)
2- Canção do Fim (Diogo Piçarra)
3- Sunset (Peter Serrado)
4- Zero a Zero (Joana Espadinha)
5- Voo das Cegonhas (Lili)
6- Para Sorrir Eu Não Preciso de Nada (Catarina Miranda)
7- Anda Estragar-me os Planos (Joana Barra Vaz)
8- Amor Veloz (David Pessoa)
9- Patati Patata (Minnie & Rhayra)
10- (sem título) (Janeiro)
11- Bandeira Azul (Maria Inês Paris)
12- Para Te Dar Abrigo (Anabela)
13- O Jardim (Cláudia Pascoal)
14- Só Por Ela (Peu Madureira)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.