"É uma coleção africana de arte, não é uma coleção de arte africana"

Sindika Dokolo inaugurou ontem na Galeria Almeida Garrett, no Porto, uma exposição de 80 obras da sua coleção, You Love Me, You Love me Not.

Qual é a sua expectativa em relação a esta exposição que abre na Galeria Almeida Garrett?

A particularidade desta exposição é que tem dois curadores novos, um deles português [Bruno Leitão] com quem nunca trabalhei. Ele teve acesso ao acervo todo, fez uma escolha. Verifiquei discretamente e acho que escolheu bem [risos].

A coleção são três mil obras [dados do site da fundação] ou cinco mil [informações recolhida junto de outras fontes]?

Não faz sentido uma perspetiva cumulativa, mas sim ter uma coleção em linha com o que está a acontecer no continente africano, ou seja, relevante, com artistas novos, jovens, com questões atuais, universais e mais específicas do continente africano, como a situação da mulher, as questões religiosas, de liberdade, políticas, de sociedade. Isso tudo é o que me interessa explorar através de parcerias com artistas. E a segunda coisa que me interessa, numa vertente mais política, é expor o público africano à sua arte contemporânea. Sempre achei muito injusto e anormal viver num continente que tanto precisa de se projetar no século XXI e que não tem instrumentos para refletir sobre o passado e se projetar no futuro. Criámos uma carta de princípios, e um desses princípios é estar sempre disponível para emprestar obras para qualquer exposição e instituição que tenha interesse, mas o que peço em contrapartida é a organização dessa exposição num sítio à escolha no continente africano.

Quais têm sido os resultados?

Fizemos em São Tomé, várias em Angola, agora estamos a planificar uma para o Congo. Faz-se, mas não se faz suficientemente. Além da boa vontade, temos um problema no continente africano, que é a ausência total de infraestruturas, o que torna logo muito difícil a organização logística, e também há poucas instituições com capacidade e experiência para levar a cabo este projeto.

Leia toda a entrevista na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos