Filme português "Diamantino" venceu Grande Prémio da Semana da Crítica em Cannes

Longa-metragem de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt premiada pelo Festival de Cannes.

O filme português Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, venceu ontem o Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, que decorre até sábado naquela cidade do Sul de França. O prémio foi atribuído por um júri, presidido pelo realizador Joachim Trier e composto pelos atores Chloe Sevigny e Nahuel Pérez Biscayart.

Diamantino, a primeira longa-metragem de ficção de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, conta "a história de Diamantino, interpretado pelo ator Carloto Cotta, uma superestrela do futebol mundial, cuja carreira cai em desgraça". "À procura de um novo objetivo para a sua vida, Diamantino entra numa odisseia delirante, que envolve neofascismo, crise dos refugiados, modificação genética e a busca pela origem da genialidade", lê-se no comunicado divulgado pela produtora.

Além de Carloto Cotta, o elenco desta coprodução entre Portugal, Brasil e França inclui Cleo Tavares, Anabela Moreira, Margarida Moreira, Carla Maciel, Filipe Vargas, Manuela Moura Guedes, Joana Barrios e Maria Leite. O filme volta a ser exibido em Cannes hoje (quinta-feira), às 14:15 locais (13:15 em Lisboa). Diamantino, refere a produtora, "vai ter estreia comercial em Portugal, numa data a anunciar brevemente".

Gabriel Abrantes e o norte-americano Daniel Schmidt têm trabalhado juntos nos últimos anos em filmes como Tristes Monroes (2017) e A History of Mutual Respect (2010). Além de Diamantino, havia outro filme português em competição na Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, a curta-metragem Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra, feita em contexto escolar e produzida pela Escola Superior de Teatro e Cinema.

O filme de Duarte Coimbra, de 21 anos, trabalho final do curso de Realização da Escola Superior de Teatro e Cinema e o primeiro "a sério" que fez, "é muito pessoal". O realizador quis fazer, como explicou em entrevista à Lusa, "uma história de amor, um filme romântico, que se passasse nos dias de hoje" em Lisboa, cidade onde cresceu e passa os dias. "Amor, Avenidas Novas, estreou-se no final de abril no IndieLisboa, nas competições nacional e internacional.

A 57.ª Semana da Crítica de Cannes, um dos programas paralelos do festival francês, decorre até quinta-feira. Este ano, a abertura da Semana da Crítica ficou por conta de Wildlife, primeiro filme do ator e realizador norte-americano Paul Dano, protagonizado por Carey Mulligan, enquanto o encerramento será com Guy, do francês Alex Lutz. Criada em 1962 para revelar novos talentos, a Semana da Crítica de Cannes é uma iniciativa do Sindicato Francês dos Críticos de Cinema.

A 71.ª edição do Festival de Cinema de Cannes termina no sábado. Para o encerramento, Cannes escolheu O homem que matou D. Quixote, projeto antigo de Terry Gilliam agora concretizado, em estreia mundial no festival.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.