Dead Combo vão musicar filme mudo no farol de Vila Real de Santo António

A dupla portuguesa Dead Combo vai tocar ao vivo durante a projeção do filme mudo Os Faroleiros, na próxima quarta-feira, no farol de Vila Real de Santo António, evento que encerrará a segunda edição do projeto Video Lucem

Segundo disse à Lusa fonte ligada ao projeto, nos últimos seis meses, o Video Lucem apresentou um filme mudo por mês em seis igrejas algarvias, sempre musicado ao vivo por diferentes artistas, ultrapassando os 800 espectadores, na sua maioria portugueses.

A iniciativa retira-se em maio das igrejas e passa a projeção do último filme, exibido pela primeira vez em 1922, para o farol de Vila Real de Santo António, estabelecido em 1923, com uma banda sonora criada ao vivo por Tó Trips e Pedro Gonçalves.

Segundo nota da organização, o filme Os Faroleiros, ou O Faroleiro da Torre de Bugio, de Maurice Mariaud, é "um dos mais importantes" realizados em Portugal na época do mudo, e era considerado desaparecido até à descoberta uma cópia nos anos de 1990.

Trata-se de um drama-documentário de que o realizador também foi argumentista e intérprete centrado num triângulo amoroso, numa comunidade de pescadores, "cujo conflito culmina num farol isolado do litoral", acrescenta.

A iniciativa Video Lucem, cujo nome em latim significa Vejo a Luz, foi criada no ano passado pelo Cineclube de Faro, com o apoio da Diocese do Algarve e do programa "365 Algarve", que dinamiza espetáculos culturais durante a época baixa.

Com início em novembro, o projeto exibiu filmes mudos musicados ao vivo em Faro, Loulé, Alcoutim, Tavira, Ferragudo e Silves.

Fundado em 1952, o Cineclube de Faro é o cineclube português com mais tempo de atividade ininterrupta, continuidade que lhe valeu, em 2003, a atribuição do estatuto de Instituição de Utilidade Pública.

O programa cultural "365 Algarve", que decorre desde maio, compreende um total de 525 apresentações de música, dança, teatro, circo contemporâneo, cinema, artes visuais, literatura, gastronomia e animação de património, nos 16 concelhos da região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.