"Rock in Rio vai apresentar culturas de vários países de África"

A EDP Rock Street do Rock in Rio é este ano inteiramente dedicada a África. Paula Nascimento é a responsável pela programação deste palco e explica um pouco do que o público poderá encontrar no festival

"O Rock in Rio, neste palco EDP Rock Street, vai apresentar um conjunto de culturas, de vários países de África, como por exemplo Guiné-Conacri, África do Sul, Angola, Cabo Verde, Moçambique", explica ao DN Paula Nascimento, angolana de origem e responsável pela programação deste palco.

Dois fins de semana, dois dias, três bandas/artistas por dia. No arranque do festival, este sábado, tocam o Bonga, Tabanka Djaz e Kimi Djabaté. No dia seguinte, domingo, atuam Ferro Gaita, Baloji e Karlon. Nos dias 29 e 30, sobem ao palco Moh! Kouyaté!, Nástio Mosquito, A'mosi Just a Lebel, Paulo Flores, Batuk e Selma Uamusse.

"Vai haver um conjunto de géneros musicais diferentes, com propostas mais tradicionais e mais contemporâneas, estamos a falar de bandas que foram referência em Portugal nos anos 1990, como Tabanka Djaz, Bonga, Paulo Flores, Ferro Gaita, mas depois outras propostas mais modernas, como o Karlon e o Baloji, na música eletrónica temos o caso de Batuk e ainda propostas um pouco mais híbridas como é a de Nástio Mosquito", detalha Paula Nascimento, que disse ter ficado surpreendida com o espaço dedicado pelo Rock in Rio a músicas apenas de África.

(Leia entrevista alargada com Paula Nascimento na edição deste domingo do DN)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.