"Rock in Rio vai apresentar culturas de vários países de África"

A EDP Rock Street do Rock in Rio é este ano inteiramente dedicada a África. Paula Nascimento é a responsável pela programação deste palco e explica um pouco do que o público poderá encontrar no festival

"O Rock in Rio, neste palco EDP Rock Street, vai apresentar um conjunto de culturas, de vários países de África, como por exemplo Guiné-Conacri, África do Sul, Angola, Cabo Verde, Moçambique", explica ao DN Paula Nascimento, angolana de origem e responsável pela programação deste palco.

Dois fins de semana, dois dias, três bandas/artistas por dia. No arranque do festival, este sábado, tocam o Bonga, Tabanka Djaz e Kimi Djabaté. No dia seguinte, domingo, atuam Ferro Gaita, Baloji e Karlon. Nos dias 29 e 30, sobem ao palco Moh! Kouyaté!, Nástio Mosquito, A'mosi Just a Lebel, Paulo Flores, Batuk e Selma Uamusse.

"Vai haver um conjunto de géneros musicais diferentes, com propostas mais tradicionais e mais contemporâneas, estamos a falar de bandas que foram referência em Portugal nos anos 1990, como Tabanka Djaz, Bonga, Paulo Flores, Ferro Gaita, mas depois outras propostas mais modernas, como o Karlon e o Baloji, na música eletrónica temos o caso de Batuk e ainda propostas um pouco mais híbridas como é a de Nástio Mosquito", detalha Paula Nascimento, que disse ter ficado surpreendida com o espaço dedicado pelo Rock in Rio a músicas apenas de África.

(Leia entrevista alargada com Paula Nascimento na edição deste domingo do DN)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.