Bruno Mars em Lisboa a 24 de Junho

O artista, nascido e criado no Havai mas radicado em Los Angeles, é a primeira confirmação da 8ª edição do Rock in Rio-Lisboa. Venda de passes para o primeiro fim de semana arranca hoje.

O cantor e compositor norte-americano regressa a Lisboa a 24 de junho de 2018 para encerrar a segunda noite do primeiro fim de semana da 8ª edição do Rock in Rio Lisboa. Depois de ter esgotado a MEO Arena, em Lisboa, no início de abril deste ano, o autor de temas como Just The Way You Are, single do seu álbum de estreia como artista principal, Doo-Wops & Hooligans (2010), e Locked Out of Heaven, do segundo trabalho, Unorthodox Jukebox (2011), ou ainda 24K Magic, do álbum homónimo de 2016, regressa a Portugal e "promete um espetáculo 'too good to say goodbye'", refere a organização do festival, em comunicado.

Recorde-se que a 8.ª edição do Rock in Rio-Lisboa já tem data marcada para os dias 23, 24, 29 e 30 de junho 2018. E os passes de dois dias para o primeiro fim de semana são hoje colocados à venda, "por um preço especial de antecipação de 99 euros", informa a organização.

No regresso a Lisboa, o Rock in Rio-Lisboa vai voltar a transformar o Parque da Bela Vista num gigante parque temático da música, com inúmeras experiências e uma programação surpreendente, que combina o melhor do entretenimento. A renovada Cidade do Rock, além de mais horas de entretenimento diário (com o recinto a abrir as portas às 12.00 e a fechar às 02.00) vai, também, contar com novos espaços de entretenimento.

No Pop District, um espaço que celebra a cultura pop e os seus principais ícones, "o público poderá encontrar atrações como games - dos mais modernos aos mais antigos -, lojas com variados produtos alusivos aos maiores ícones culturais das últimas décadas, performances e demonstrações artísticas - como representações de musicais e super-heróis, exposições de pop art, referências do cinema -, havendo até espaço para cosplay e muito mais", enumera a organização.

Outra novidade é o Digital Stage, um palco dedicado aos fenómenos digitais, "trazendo um pouco do mundo online para o offline", refere a mesma nota. Ao longo dos quatro dias do evento, este palco vai receber vários fenómenos do entretenimento online que trocarão, por um momento, o ecrã dos PC"s, tablets e telemóveis por um contacto direto e próximo com a sua audiência. Neste palco também caberão apresentações de música, dança, cinema e outras performances ligadas a sucessos online.

Já a Rock Street África será um espaço onde "o público poderá perceber como a música africana influenciou todos os estilos musicais presentes nos outros palcos do festival". Por fim, o Gourmet Square uma nova praça de alimentação, disponibilizará cerca de 500 lugares sentados e cerca de 10 food corners, num ambiente exclusivo e de acesso controlado.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?