Berardo entre os cem museus mais visitados do mundo

No ano passado, o Museu Berardo, em Lisboa, teve mais de 823 mil visitantes.

O Museu Colecção Berardo, em Lisboa, ocupa o 74.º lugar na lista dos cem museus mais visitados do mundo, em 2015, com 823 092 entradas, segundo o The Art Newspaper, publicação internacional especializada em arte contemporânea.

No ano passado, de acordo com o relatório anual publicado por The Art Newspaper, o Museu Berardo conquistou o 74.º lugar, à frente do espaço expositivo Palais de Tokyo, em Paris, que ficou, por seu turno, em 75.º lugar, com 820.850 visitantes.

Já o 'top 10' dos mais visitados do mundo, em 2015, é liderado pelo Museu do Louvre, em Paris, com 8,6 milhões de entradas, seguido do British Museum, em Londres, com 6,82 milhões, e, em terceiro, o Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, com 6,53 milhões.

Na lista dos dez mais surgem ainda, em quarto lugar, os Museus do Vaticano, com seis milhões de visitantes, e, em quinto lugar, a National Gallery, em Londres, com 5,9 milhões.

O Museu Coleção Berardo, que já figurou nesta lista em anos anteriores, continua a ser o único museu português a integrar o 'top 100' de museus mais visitados do mundo do The Art Newspaper.

Desde a inauguração, em 2007, até hoje, o Museu Berardo, instalado no Centro Cultural de Belém, recebeu um total de 5,8 milhões de visitantes e mantém uma política de entradas gratuitas.

Criado na sequência de um acordo entre o Estado e o comendador e colecionador madeirense José Berardo, o museu de arte moderna e contemporânea teve como primeiro diretor artístico o francês Jean-François Chougnet e passou a ser dirigido, em abril de 2011, pelo curador e historiador de arte português Pedro Lapa.

O museu abriu com um acervo inicial de 862 obras da coleção de arte de José Berardo, cedidas em regime de comodato (empréstimo) ao Estado, até 2016, avaliadas em 316 milhões de euros pela Christie's, em 2006, acordo esse que deverá ser renegociado este ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.