Autores estrangeiros disputam vendas na Feira do Livro

A Feira do Livro de Lisboa volta a ter uma enchente de escritores estrangeiros. Autores que vendem milhares de exemplares.

Quem irá vender mais livros na 86ª edição da Feira do Livro de Lisboa? Desta vez, pode dizer-se que é uma previsão que até os menos habilitados astrólogos e tarólogos - e editores - portugueses não teriam dificuldade em fazer: José Rodrigues dos Santos. Sim, tudo se encaminha para que seja o único português que escreve 700 páginas por livro e publica dois volumes por ano o rei da Feira. Aliás, a pensar na Feira do Livro terminou a tempo dela as 698 páginas de O Pavilhão Púrpura, segundo volume da trilogia que começa com A Flor de Lótus (688 páginas) e publicará (em outubro) com O Reino do Meio. Uma saga que em menos de uma semana já está a liderar todas as tabelas de vendas nacionais.

A representação da literatura nacional não se fica por este best-seller, mesmo que haja poucos candidatos será o novo romance de Domingos Amaral, Assim Nasceu Portugal II - A Vitória do Imperador, o que mais concorrência deverá fazer. Tal como Helena Sacadura Cabral, que editou recentemente Gosto de Gostar, e tem sempre bastantes visitas nos muitos dias em que faz questão de estar na Feira do Livro a dar autógrafos. Que é a situação de António Lobo Antunes, mesmo não tendo livro novo uma presença habitual no recito e com grandes filas.

Também não faltarão longas filas para Pedro Chagas Freitas, e os seus livros, apesar do seu próximo romance só ser lançado após a Feira. Com livro novo ainda está Pepetela, intitulado Se o Passado Não Tivesse Asas , que é um dos autores da lusofonia mais procurados na Feira. O mesmo acontece com José Eduardo Agualusa, que não tem romances novos ou Mia Couto, que vai ter Jesusalém reeditado durante o evento.

Autores estrangeiros

Se a presença maciça de autores portugueses na Feira do Livro de Lisboa é uma constante, desta vez não faltarão bastantes autores estrangeiros. John Banville, Marcelo Mirisola, Zoran Zivkovic, M. J. Arlidge, Simon Scarrow, entre muitos outros, irão marcar presença e empurrar as vendas dos seus mais recentes lançamentos em Portugal. Pode mesmo dizer-se que os autores estrangeiros estão a disputar a atenção que os leitores davam aos escritores nacionais, tão grande começa a ser o seu número em Lisboa neste período. Daí que caiba aos autores internacionais grande parte das vendas de livros na Feira, sendo que nesta edição há uma mão cheia de títulos que estão na mira dos frequentadores portugueses.

Há os que são quase desconhecidos, como é o caso best-seller Dominus, de Tom Fox, que subiu pelas tabelas nacionais a uma velocidade estonteante apesar de ter sido lançado há poucos dias. É também certo que vai surgir uma novidade que surpreenderá, aquele que é definitivamente considerado o sucessor de A Rapariga no Comboio, de Paula Hawkins, o grande best-seller em Portugal de 2015/2016, que é o primeiro policial escrito pela britânica Fiona Barton, que tem por título A Viúva. Um policial que parte de um caso de pedofilia e envolve um casal que se encobre um ao outro, escrito por uma jornalista que fez a cobertura do Caso Maddie.

Não se podem esquecer entre os autores estrangeiros já tidos como grandes vendedores na Feira o chileno Luis Sepúlveda, que tem um livro novo, o infanto-juvenil História de um Cão Chamado Leal, e arrebata sempre muitos fãs na Feira. Também George R.R. Martin e os volumes da Guerra dos Tronos irão liderar as vendas. Entre os escritores estrangeiros, é preciso não esquecer Joël Dicker, que estará na Feira a lançar o sucessor de A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, o romance Os Livros de Baltimore. Diga-se que este livro também está a escalar as tabelas de vendas a grande velocidade. O mesmo deverá acontecer com o novo de Ken Follet, um autor de grande sucesso no nosso país e nunca deixa de vender milhares de exemplares de cada volume que é publicado em Portugal. Não esquecer a italiana Elena Ferrante, que tem novo livro e, principalmente, muitos leitores interessados em completar o quarteto napolitano, designadamente o título A Amiga Genial. Não ignorar também os muitos livros de/sobre o Papa. Uma série de best-sellers em toda a linha.

Estrangeiros na Feira

28/5 18.00 John Banville lança A Guitarra Azul

29/5 19.00 Workshop de David Frenkiel e Luise Vindhal: Green Kitchen - Vegetariano todos os dias

29/5 17.00 Joël Dicker Os Dias de Baltimore

4/6 16.00 Simon Scarrow, autor bestseller do Sunday Times, de Britannia

4 e 5/6 15.00 Janey Louise Jones Autora da Coleção Princesa Poppy

6/6 Zoran Zivkovic O Livro

10 e 11/6- das 15 h às 18 h M. J. Arlidge Vários livros

11 e 12/6 15,30 Luis Sepúlveda

11, 12 e 13 Dorothy koomson

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...