Asia Argento: "Fui violada aqui por Harvey Weinstein"e há outros na audiência

"Este festival era o seu território de caça", condenou Argento, estendendo a acusação a outros

A atriz italiana Asia Argento, uma das mulheres que acusou o produtor Harvey Weinstein de violação, disse este sábado à plateia do Festival de Cannes que há outros na audiência que ainda não foram denunciados.

Ao apresentar o prémio de interpretação feminina (atribuído a Samal Yeslyamova, por Ayka), Argento lembrou que tinha 21 anos quando foi violada por Weinstein em Cannes: "Fui violada aqui por Harvey Weinstein."

"Este festival era o seu território de caça", condenou Argento, estendendo a acusação a outros, dedo apontado para a assistência: "Ainda hoje, sentados entre vós, estão aqueles que ainda têm de s erresponsabilizados pela sua conduta contra as mulheres. Vocês sabem que são, mas mais importante, nós sabemos quem são, e não vamos permitir que vivam na impunidade."

A atriz prometeu ainda que Weinstein nunca vai regressar a Cannes e desejou que seja para sempre um pária na comunidade cinematográfica que tanto o apoiou e até "ajudou a esconder os seus crimes".

Os organizadores do festival montaram este ano um linha telefónica de apoio para vítimas de assédio e vários grupos de debate para discutir estes temas e também a sub-representação das mulheres na indústria.

Com Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.