As esculturas de Rui Chafes já estão na Igreja de São Cristóvão

A exposição do Prémio Pessoa 2015, "Não te faltará a distância", pode ser vista a partir desta quinta-feira

O escultor Rui Chafes, que inaugura nesta quinta-feira uma instalação na Igreja de São Cristóvão, considera o espaço religioso "ideal" para colocar as suas esculturas porque é ali "que o sagrado e o humano se encontram".

No templo, situado na Mouraria e cujas origens remontam ao século XII, Rui Chaves e o curador da exposição Não te faltará a distância, Paulo Pires do Vale, ultimam a instalação da série de cinco peças pensadas para o local.

"Estes são os espaços do humano e do divino. São espaços vividos pelas pessoas, os ideais para apresentar obras de arte contemporânea. Muito mais do que num museu ou numa galeria", disse o artista à agência Lusa no interior da Igreja de São Cristóvão.

A peça principal criada pelo escultor galardoado como o Prémio Pessoa 2015 que é a matriz de outras duas - da série Ascensão - segue os degraus da igreja, onde ficaram marcados os passos de milhares de fiéis ao longo dos séculos.

As passadas criaram marcas fundas nos degraus em pedra das quais Rui Chafes fez moldes em chumbo e verteu para uma outra peça em ferro - um escadote de nove metros de altura - colocado no centro da igreja.

"O escadote tem as cópias exatas das marcas deixadas pelas pessoas que por ali passaram. Acaba por ser uma homenagem. No fundo representa o caminho para o céu", comentou o artista, acrescentando que foi exatamente aquele desgaste dos degraus que primeiro o interessou no projeto ligado à recuperação do templo que evoca a vida de São Cristóvão.

Depois de Madalena Victorino, e de Francis Alÿs, é a vez de Rui Chafes, que colocou nestas obras a marca habitual do seu trabalho: os contrastes entre a luz e a escuridão, o peso e leveza.

"Achei o projeto precioso. Esta abertura de uma igreja à presença da arte contemporânea é muito importante porque estão divorciadas desde o início do século XX", disse o artista, sublinhando que um dos seus interesses é questionar e investigar a relação entre estes universos.

Integrada no projeto do Orçamento Participativo de Lisboa Arte por São Cristóvão, a exposição - iniciada em fevereiro - apresenta olhares contemporâneos sobre temas inspirados na vida de São Cristóvão: a viagem, o peso, a leveza.

Este projeto - que decorre até junho - visa dar a conhecer a igreja, o seu património e história, para angariar apoios para o seu restauro e reabilitação.

Paulo Pires do Vale deu à exposição o título "Não te faltará distância" partindo da noção de viagem e de peregrinação associadas à lenda da figura de São Cristóvão, um gigante que ajudava peregrinos a atravessar um rio.

O projeto Arte Por São Cristóvão é desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Paróquia de São Cristóvão e São Lourenço, em parceria com entidades públicas e privadas, associações e projetos locais.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.