As esculturas de Rui Chafes já estão na Igreja de São Cristóvão

A exposição do Prémio Pessoa 2015, "Não te faltará a distância", pode ser vista a partir desta quinta-feira

O escultor Rui Chafes, que inaugura nesta quinta-feira uma instalação na Igreja de São Cristóvão, considera o espaço religioso "ideal" para colocar as suas esculturas porque é ali "que o sagrado e o humano se encontram".

No templo, situado na Mouraria e cujas origens remontam ao século XII, Rui Chaves e o curador da exposição Não te faltará a distância, Paulo Pires do Vale, ultimam a instalação da série de cinco peças pensadas para o local.

"Estes são os espaços do humano e do divino. São espaços vividos pelas pessoas, os ideais para apresentar obras de arte contemporânea. Muito mais do que num museu ou numa galeria", disse o artista à agência Lusa no interior da Igreja de São Cristóvão.

A peça principal criada pelo escultor galardoado como o Prémio Pessoa 2015 que é a matriz de outras duas - da série Ascensão - segue os degraus da igreja, onde ficaram marcados os passos de milhares de fiéis ao longo dos séculos.

As passadas criaram marcas fundas nos degraus em pedra das quais Rui Chafes fez moldes em chumbo e verteu para uma outra peça em ferro - um escadote de nove metros de altura - colocado no centro da igreja.

"O escadote tem as cópias exatas das marcas deixadas pelas pessoas que por ali passaram. Acaba por ser uma homenagem. No fundo representa o caminho para o céu", comentou o artista, acrescentando que foi exatamente aquele desgaste dos degraus que primeiro o interessou no projeto ligado à recuperação do templo que evoca a vida de São Cristóvão.

Depois de Madalena Victorino, e de Francis Alÿs, é a vez de Rui Chafes, que colocou nestas obras a marca habitual do seu trabalho: os contrastes entre a luz e a escuridão, o peso e leveza.

"Achei o projeto precioso. Esta abertura de uma igreja à presença da arte contemporânea é muito importante porque estão divorciadas desde o início do século XX", disse o artista, sublinhando que um dos seus interesses é questionar e investigar a relação entre estes universos.

Integrada no projeto do Orçamento Participativo de Lisboa Arte por São Cristóvão, a exposição - iniciada em fevereiro - apresenta olhares contemporâneos sobre temas inspirados na vida de São Cristóvão: a viagem, o peso, a leveza.

Este projeto - que decorre até junho - visa dar a conhecer a igreja, o seu património e história, para angariar apoios para o seu restauro e reabilitação.

Paulo Pires do Vale deu à exposição o título "Não te faltará distância" partindo da noção de viagem e de peregrinação associadas à lenda da figura de São Cristóvão, um gigante que ajudava peregrinos a atravessar um rio.

O projeto Arte Por São Cristóvão é desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Paróquia de São Cristóvão e São Lourenço, em parceria com entidades públicas e privadas, associações e projetos locais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.