As esculturas de Rui Chafes já estão na Igreja de São Cristóvão

A exposição do Prémio Pessoa 2015, "Não te faltará a distância", pode ser vista a partir desta quinta-feira

O escultor Rui Chafes, que inaugura nesta quinta-feira uma instalação na Igreja de São Cristóvão, considera o espaço religioso "ideal" para colocar as suas esculturas porque é ali "que o sagrado e o humano se encontram".

No templo, situado na Mouraria e cujas origens remontam ao século XII, Rui Chaves e o curador da exposição Não te faltará a distância, Paulo Pires do Vale, ultimam a instalação da série de cinco peças pensadas para o local.

"Estes são os espaços do humano e do divino. São espaços vividos pelas pessoas, os ideais para apresentar obras de arte contemporânea. Muito mais do que num museu ou numa galeria", disse o artista à agência Lusa no interior da Igreja de São Cristóvão.

A peça principal criada pelo escultor galardoado como o Prémio Pessoa 2015 que é a matriz de outras duas - da série Ascensão - segue os degraus da igreja, onde ficaram marcados os passos de milhares de fiéis ao longo dos séculos.

As passadas criaram marcas fundas nos degraus em pedra das quais Rui Chafes fez moldes em chumbo e verteu para uma outra peça em ferro - um escadote de nove metros de altura - colocado no centro da igreja.

"O escadote tem as cópias exatas das marcas deixadas pelas pessoas que por ali passaram. Acaba por ser uma homenagem. No fundo representa o caminho para o céu", comentou o artista, acrescentando que foi exatamente aquele desgaste dos degraus que primeiro o interessou no projeto ligado à recuperação do templo que evoca a vida de São Cristóvão.

Depois de Madalena Victorino, e de Francis Alÿs, é a vez de Rui Chafes, que colocou nestas obras a marca habitual do seu trabalho: os contrastes entre a luz e a escuridão, o peso e leveza.

"Achei o projeto precioso. Esta abertura de uma igreja à presença da arte contemporânea é muito importante porque estão divorciadas desde o início do século XX", disse o artista, sublinhando que um dos seus interesses é questionar e investigar a relação entre estes universos.

Integrada no projeto do Orçamento Participativo de Lisboa Arte por São Cristóvão, a exposição - iniciada em fevereiro - apresenta olhares contemporâneos sobre temas inspirados na vida de São Cristóvão: a viagem, o peso, a leveza.

Este projeto - que decorre até junho - visa dar a conhecer a igreja, o seu património e história, para angariar apoios para o seu restauro e reabilitação.

Paulo Pires do Vale deu à exposição o título "Não te faltará distância" partindo da noção de viagem e de peregrinação associadas à lenda da figura de São Cristóvão, um gigante que ajudava peregrinos a atravessar um rio.

O projeto Arte Por São Cristóvão é desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Paróquia de São Cristóvão e São Lourenço, em parceria com entidades públicas e privadas, associações e projetos locais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.