"Anunciação" já está no Museu de Arte Antiga

Comprada pelo Estado português num leilão em fevereiro, por 280 mil euros, a obra de Álvaro Pires de Évora já pode ser vista no MNAA,em Lisboa, ao lado dos Painéis de São Vicente.

É um quadro pequeno. Pouco mais de 30 centímetros de altura por 22 centímetros de largura. Mas as cores vibrantes prendem-nos o olhar. Aproximamo-nos para ver melhor os pormenores daquela cortina vermelha, as asas do Arcanjo Gabriel, o volume das roupas de Maria, uma pomba a esvoaçar, a mão de Deus, que tudo comanda. É, na verdade, uma pequena maravilha. Anunciação, a pintura que Álvaro Pires de Évora realizou entre 1430 e 1434, percorreu um longo caminho mas está, finalmente, no sítio a que pertence: no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, na mesma sala onde se encontram também os Painéis de São Vicente, de Nuno Gonçalves.

O quadro foi comprado pelo Estado português num leilão da Sotheby"s, em Nova Iorque, em fevereiro passado, pelo valor de 350 mil dólares (280 mil euros). Um valor justificado pelo facto de esta ser "uma obra maior" daquele que é o primeiro pintor português a quem é atribuída obra artística e que continuava, até agora, ausente na coleção do MNAA, como explicou o diretor do museu, António Filipe Pimentel, na apresentação da pintura, ontem de manhã, na presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, e do primeiro-ministro, António Costa.

"É uma peça magnífica", disse António Filipe Pimentel, não escondendo a sua felicidade por concretizar um objetivo que tinha sido traçado pelo museu há quase 25 anos, quando o quadro foi mostrado em Portugal na exposição Álvaro Pires de Évora: um pintor português na Itália do Quattrocento, na Torre do Tombo, integrada na programação de Lisboa 1994.

"É uma das peças que faltava para entender a nossa história da pintura", explicou. E, também, para entender aqueles painéis que Nuno Gonçalves pintou entre 1450 e 1492. Antes disso, no MNAA, havia António Florentim, um pintor florentino que no início do século XV esteve na corte de D. João I, mas, entre eles apenas "uma nebulosa". "Havia elos muitos dispersos e sobretudo documentais."

Álvaro Pires de Évora nasceu em Portugal na primeira metade do século XV mas viveu quase toda a sua vida em Itália, e está documentado na região da Toscana, em Itália, entre 1411 e 1434, começando pela sua integração num grupo de pintores florentinos encarregados de pintar a fachada do palácio del Ceppo, em Prato. Esta incorporação da sua obra no MNAA, afirmou António Filipe Pimentel, "permite-nos entender como foi possível surgir em Portugal uma obra tão madura como a de Nuno Gonçalves".

Parte de um díptico pintado e realizada, provavelmente, como obra de devoção privada, esta Anunciação data já da parte final da carreira de Álvaro de Pires e é, segundo o diretor do MNAA, "uma obra de qualidade maior" do artista. A obra pertenceu à coleção de Heinz Kisters, na Suíça, e passou a propriedade do chanceler alemão Konrad Adenauer, cujos herdeiros a revenderam, após 1967, a Kisters.

Alertado para o anúncio do leilão pela direção do museu e pela Direção-Geral do Património Cultural, o ministro da Cultura mandou publicar um despacho que permitiu mobilizar 250 mil euros das verbas do Fundo de Fomento Cultural para licitar a obra a 1 de fevereiro, recordou Luís Filipe Castro Mendes. A este valor, viriam a ser acrescentadas as custas inerentes às comissões de venda, no valor de cerca de 90 mil euros, saídas das verbas da DGPC, num "esforço financeiro do Estado correspondeu a 90% dos valores envolvidos na aquisição".

Para perfazer os restantes 10% da totalidade dos valores envolvidos na aquisição, os Amigos do Museu contribuíram com 25 mil euros e a direção do MNAA avançou com 6 mil euros que tinham sobrado da campanha de angariação de fundos para a aquisição da Adoração dos Magos de Domingos Sequeira.

A Anunciação passa, assim, a ser a segunda pintura conhecida do autor em Portugal, para além de A Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação, que pertence ao acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora.

Aposta no património

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, congratulou-se com a aquisição da Anunciação que, disse, "dá continuidade e reforça as políticas do Governo e do Ministério da Cultura para a valorização das coleções nacionais, que se iniciaram com a decisão de permanência em Portugal das 85 obras de Miró, a serem expostas no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, e prosseguiram, no final do ano passado, com a aquisição de seis importantes obras de Maria Helena Vieira da Silva, em exposição no Museu da Fundação Arpad Szenes/Vieira da Silva". Pelos valores envolvidos em todas estas operações, estamos perante "uma das maiores incorporações de bens artísticos nas coleções nacionais de que há memória desde a Implantação da República".

Castro Mendes anunciou ainda que através do acordo entre a administração do Novo Banco e o Ministério da Cultura firmado este ano, "serão colocadas à fruição pública em museus de todas as regiões do país" peças daquela coleção de arte privada, e "uma das mais significativas será depositada no Museu Nacional de Arte Antiga", sem adiantar qual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.