Alkantara: em itinerância por todos os cantos do Teatro Nacional

Gustavo Ciríaco propõe uma viagem pelo Teatro D. Maria II, olhando o edifício como se fosse uma escultura.

O lugar preferido de Gustavo Ciríaco em todo o edifício do Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, é a chamada sala da cenografia, o sítio onde antes se produziam os cenários para os espetáculos e que agora é uma terra-de-ninguém, com chariots de figurinos em processo de catalogação, alguns elementos cenográficos em prateleiras, máscaras em forma de zebra ou de rinoceronte, cartazes colados em armários, caixas e caixotes. "Este lugar tem camadas de história", comenta o encenador. "É aqui que temos feito muito do nosso trabalho."

Por aqui, sem dúvida, irá passar o espetáculo Cortado por todos os lados, aberto por todos os cantos, performance que o brasileiro Gustavo Ciríaco criou com 15 bailarinos e atores (entre os quais os cinco elementos do elenco do Nacional e os seis estagiários da Escola Superior de Teatro e Cinema que estão a terminar o seu curso) e uma cantora (Carla Gomes) e que propõe uma viagem por vários espaços do Teatro Nacional - das salas de espetáculo convencionais aos lugares mais inusitados .

"A ideia é pegar o prédio do teatro como se fosse uma escultura", explica Ciríaco. "A relação que geralmente temos com uma escultura é de deslocamento para apreciação, a gente vê de um lado e de outro. Buscamos um ponto de vista para melhor a fruir." Pois é isso que se propõe aqui. "O ponto de partida é olhar para o teatro como uma escultura, mas que é aberta por todos os lados, permitindo a circulação, a entrada e a saída, e a apreciação ." Gustavo Ciríaco junta neste espetáculo dois verbos por si inventados: arquitetar e teatrar. "Como é que na arquitetura existe a performatividade? E como é que no teatro existe a arquitetura?"

Dois grupos de espectadores vão estar "em itinerância" pelos vários recantos do teatro. "Em cada lugar temos uma sensação de espaço e de tempo, existem barulhos, como o ruído do ar condicionado ou som dos sapatos no soalho, existe a luz, a temperatura, os cheiros, uma energia de cada espaço, pode haver pessoas a conversar no bar ou nos cruzamos com a senhora da limpeza - e com a ajuda dos atores vamos ser tocados pelas características dos espaços", explica.

Depois de residências noutros teatros e trabalhando com atores profissionais e amadores, já no Teatro Nacional, Gustavo Ciríaco fez uma longa pesquisa e entrevistou quem ali trabalham ou que têm alguma relação com o espaço mas essas memórias acabam por não entrar diretamente no espetáculo. "Talvez alguém tenha uma sensação de déjà vu de um determinado ingrediente, mas será apenas isso", esclarece. Integrado no Festival Alkântara, Cortado por todos os lados, aberto por todos os cantos será apresentado nos dias 29 a 31 pelas 19.00. Depois daquela hora e meia de espetáculo, espera que os espectadores saiam felizes e levem consigo um novo modo de ver "a arquitetura e o teatro associados".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.