A voz deste homem fala por toda a "mãe Natureza"

A vida artística discreta acabou para Gennady Tkachenko-Papizh após uma atuação no programa Georgia's Got Talent se ter tornado viral

Gennady Tkachenko-Papizh não é um nome fácil de pronunciar para quem não vive na Geórgia, a antiga república soviética nas margens do Mar Negro. Mas o talento de Tkachenko-Papizh ultrapassou essas fronteiras após uma atuação no programa Georgia's Got Talent, que acabou partilhado no Facebook da norte-americana Miss Arab USA.

"Este vídeo vai transportar-vos para outro mundo", escreveu Fabiola al-Ibrahim, Miss Arab USA, na sua partilha do vídeo da performance de Tkachenko-Papizh, na qual este imita o piar de aves, o restolhar de asas e folhas, o som do vento e de ondas do mar, o zumbido de insetos, e mesmo vozes operáticas de homem e mulher.

"Vamos tentar sentir o que a mãe Natureza nos quer dizer", afirma Tkachenko-Papizh antes de começar a sua atuação, que pode ver abaixo.

Tkachenko-Papizh vive com a mulher e dois filhos em Berlim, e, aos 52 anos, já foi cantor, ator, mimo e comediante. Mas nunca tinha atingido a popularidade que tem agora que o seu vídeo foi visto mais de 70 milhões de vezes no Facebook da Miss Arab USA e quase três mil milhões de vezes no YouTube. Agora, entrevistado pelo New York Times, disse que está a ser muito procurado por músicos que querem gravar álbuns com eles.

"Cerca de 90 por cento querem que eu faça eletrónica", afirmou. "Mas esse tipo de música não me interessa". Tkachenko-Papizh diz que não gosta de ensaiar, mas sim de fazer aquilo que lhe vem no momento, e acrescenta que "anjos" falam com ele enquanto atua. "Ainda estou a tentar perceber o poder da minha capacidade", disse. "As pessoas dizem-me: 'Devias ensinar isto, fazer um workshop', mas eu digo que não. Para ensinar, tinha de perceber aquilo que estou a fazer".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.