"Nunca vou esquecer Portugal", diz Aznavour

Charles Aznavour atuou ontem à noite em Lisboa

Foi um Meo Arena completamente lotado que ontem à noite recebeu Charles Aznavour. Aos 92 anos, o cantor francês depressa fez esquecer a nostalgia que terá levado a maioria dos presentes à sala lisboeta, tal a vitalidade com que se apresentou em palco para "cantar canções de ontem, hoje e amanhã", como o próprio anunciou.

O decano da chanson française surpreendeu não só pela voz - tal e qual como sempre a conhecemos - mas também pela jovialidade com que apresentou em palco, perante um público totalmente rendido ao charme e sentido de humor de Aznavour. "Nunca vou esquecer Portugal, porque foi o primeiro país de língua estrangeira onde atuei", recordou a dada altura.

Durante quase duas horas, Charles Aznavour cantou, dançou, riu, emocionou e emocionou-se, quando, por mais que uma vez, as milhares de pessoas presentes o ouviram em completo silêncio. Afinal, não é todos os dias que se consegue estar assim, olhos nos olhos, em frente a uma "divindade da música", como já foi chamado. Porque é de imortalidade que se trata, quando se ouvem temas como She, Ave Maria ou La Bohème a serem cantados assim, como se fosse sempre pela primeira vez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.