Gérard Depardieu interpreta Estaline num filme rodado em Portugal

O ator franco-russo protagonizará o filme Et derrière moi une cage vide, de Fanny Ardant, que na segunda-feira começa a ser rodado no Buçaco com atores franceses e portugueses

Gérard Depardieu representará o papel do histórico líder da União Soviética Estaline em Derrière moi une cage vide, uma produção luso-francesa da Leopardo Filmes e Alfama Films inteiramente rodado em Portugal.

Realizado pela também atriz Fanny Ardant, o filme começará a ser rodado na segunda-feira no Buçaco. Ardant já realizou Cendres et sang (2009) e Cadences obstinées (2013), ambos produzidos por Paulo Branco.

O produtor também deste novo filme adiantou ao DN que a Depardieu, no papel do ditador, se juntam os atores franceses Emmanuelle Seigner (O Escafandro e a Borboleta, La Vie en Rose, Lua de Mel, Lua de Fel) e Paul Hamy (participou na série Os Bórgia), assim como os portugueses Joana de Verona, Lídia Franco e Miguel Monteiro.

O francês Depardieu tem, desde 2013, cidadania russa, que lhe foi concedida pelo Presidente Vladimir Putin.

Derrière moi une cage vide é uma adaptação cinematográfica do romance Le divan de Staline, do francês Jean-Daniel Baltassat, publicado em 2013. A ação decorre numa casa secreta onde Estaline descansa. Ali será abordado por um jovem pintor, Danilov, que o procura para lhe apresentar o projeto que concebeu para um monumento ao então líder da União Soviética, conta a produtora Alfama films na sua página. O artista terá sido sido selecionado pela amante de Estaline, Lidia. A trama jogar-se-á a partir do reencontro desta com o jovem pintor.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.