Franceses e mulheres escolarizadas são quem mais vai aos museus

Os mais escolarizados, mais mulheres do que homens, mais estrangeiros do que portugueses, é este o perfil do visitante de museus da Direção Geral do Estado, segundo um estudo encomendado por este organismo, com o ISCTE.

As mulheres estão em maioria entre os visitantes dos museus (56% contra 44% de homens), quanto mais escolarizados mais vão e entre os frequentadores, 47% são portugueses e 53% estrangeiros. Destes, entre uma centena de nacionalidades representadas, sobressaem os de nacionalidade francesa. Estas são alguns dos resultados globais do Estudo de Públicos de Museus Nacionais (EPMN), hoje apresentados no Palácio da Ajuda. "Gostaria de ver mais publicações e de ver mais uso da língua francesa, pois os franceses representam um grande contingente dos que visitam os nossos museus, quer de brochuras e prospetos, quer da melhoria dos sites da internet e das redes sociais", disse o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, aos jornalistas, no final da apresentação.

Se bem que 98% dos inquiridos diga sentir 98% de satisfação com o acolhimento dos funcionários, os números caem a pique para os 18% quando se fala na divulgação feita através dos novos media (facebook, twitter, etc.), fica nos 19% quanto à informação sobre visitas guiadas e nos 28% quando a questão trata da página web do museu.

A gratuitidade dos museus também é abordada no documento: 42% não agenda a visita de forma a coincidir com a greve, mas uns expressivos 37% procura estes dias para realizar as suas visitas. E quase 12% fá-lo a pensar nas visitas em família.

"A primeira coisa a fazer é mostrar que a gratuitidade não se concentra apenas nesse dia, que há bilhetes gratuitos para várias pessoas", notou o ministro da Cultura, remetendo futuras recomendações ao sector para futuras e mais profundas conclusões deste estudo, que antecipam a celebração do Dia dos Museus na quarta-feira, e a noite dos museus no sábado, dia 21.

Os dados obtidos, uma amostra constituída por 13.583 respostas a questionários efetuados eletronicamente nos 14 museus tutelados pela Direção Geral do Património Cultural (DGPC) entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015, a visitantes com mais de 15 anos, e foram analisados pelo ISCTE e apresentados ontem por José Soares Neves, coordenador científico do projeto, e mais cinco pessoas. O total destas instituições registou um total de 1 232 258 de visitantes. Destes, 640 804 são oriundos do território nacional e 591 454 são estrangeiros.

A rede portuguesa de museus reúne 146 espaços que, em 2015, registaram mais de 4 milhões de entradas, de acordo com DGPC. É a este universo que se pretendem alargar as políticas geradas pelos resultados deste estudo de públicos.

À margem da conferência de imprensa, Castro Mendes confirmou que os terrenos junto ao Museu Nacional de Arte Antiga foram adquiridos pela Câmara Municipal de Lisboa, com vista à ampliação do segundo museu nacional mais visitado, com quase 164 mil visitantes contra os quase 347 do Museu dos Coches, aberto em novas instalações há um ano. "É uma das prioridades", disse o ministro da Cultura.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.