Festival de Músicas do Mundo chega à maioridade

O Festival Músicas do Mundo (FMM), que começa na sexta-feira, em Porto Covo, e segue depois para Sines, atinge a maioridade reafirmando o "apanágio" da diversidade, realçou o diretor criativo do evento.

Em declarações à Lusa, Carlos Seixas reconheceu que "a experiência acumulada" de 18 anos "facilita muito a montagem do festival", mas admitiu poder "melhorar nalguns aspetos", desde logo na oferta de alojamento de Sines, que se tem verificado insuficiente para responder à procura crescente.

Porém, essa tarefa encontra obstáculos nas "dificuldades económicas que existem", assinalou Carlos Seixas, recordando que o FMM não é autossustentável apenas com a receita de bilheteira, dependendo de apoios e patrocínios.

A programação da 18.ª edição do FMM -- que se prolonga até dia 30 de julho -- oferece 47 concertos, entre os quais "cerca de 20 estreias".

Carlos Seixas destacou alguns nomes entre aqueles que atuam pela primeira vez em Portugal: o grupo Alibombo, "um laboratório ambulante de materiais reciclados" de jovens oriundos de Medellín, na Colômbia; o duo turco-arménio Vardan Hovanissian & Emre Gültekin; o coletivo feminino ucraniano Dakh Daughters; a mauritana Noura Mint Seymali; os britânicos The Comet is Coming; os colombianos Los Piranãs; e o compositor franco-libanês Bachar Mar-Khalifé.

Mas também há lugar para regressos no FMM, nomeadamente do britânico Billy Bragg, do norte-americano David Murray, acompanhado pelo quarteto Feat e pelo poeta Saul Williams, do "lendário do funaná" cabo-verdiano Bitori, da "aventura tropical psicadélica" dos Fumaça Preta e do "dois em um" Konono n.º1 e Batida.

"O festival é muito a aventura, o amor e a partilha, a cumplicidade entre todos nós e a diversidade, naturalmente, que é apanágio do festival", resumiu Carlos Seixas.

"O FMM é tudo isso, o público, a comunidade, a equipa que realiza e produz o festival. Há um compromisso, há fidelidade de princípios e há o aceitar que o diferente torna-nos iguais, torna-nos mais iguais", refletiu o diretor criativo do FMM.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.