Estrela da música congolesa morre depois de colapsar em palco

Papa Wemba estava a atuar em Abidjan, na Costa do Marfim. Vídeos mostram-no a cair para trás sem que as bailarinas se apercebessem

Era um dos músicos africanos mais influentes: Papa Wemba, de nacionalidade congolesa, morreu aos 66 anos depois de colapsar em palco, avança a imprensa internacional.

Vídeos do concerto mostram Papa Wemba a cair para trás e ficar imóvel no chão, enquanto as bailarinas continuavam a dançar na parte da frente do palco em Abidjan, na Costa do Marfim. Só alguns segundos depois se apercebem de que o cantor, conhecido na cena da música africana desde 1969, colapsara.

A morte foi confirmada à emissora francesa France 24 pelo agente de Papa Wemba, cujo verdadeiro nome era Jules Shungu Webadio. Papa Wemba foi o inspirador de um movimento de culto, cujos membros seguidores, os Sapeurs, eram sobretudo jovens do sexo masculino que gastavam somas avultadas em roupas de estilistas, recorda a BBC.

Papa Wemba tinha sido condenado em França, em 2004, por auxílio à emigração ilegal, tendo passado três meses na prisão. Foi um dos nomes mais conhecidos do soukos, género musical também chamado de rumba africana, que surgiu no Congo nas décadas de 1930 e 1940 e veio a ganhar popularidade por todo o continente africano.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.