Estão mesmo a morrer mais celebridades este ano?

David Bowie, Umberto Eco, Prince e outros. O que explica este número inusual de mortes em 2016?

Ainda só passaram quatro meses, mas a sensação que temos é que este ano de 2016 tem sido especialmente doloroso no mundo das artes. O músico David Bowie morreu em janeiro, uma semana depois foi o ator britânico Alan Rickman que desapareceu. De então para cá, despedimo-nos do realizador italiano Ettore Scola, do maestro Pierre Boulez, do realizador Jacques Rivette, da escritora Harper Lee, da arquiteta Zaha Hadid, do escritor Umberto Eco, do produtor musical George Martin. E só estamos a referir os nomes mais conhecidos.

Em Portugal, 2016 já registou a perda de, entre outros, o arquiteto Nuno Teotónio Pereira, os atores José Boavida e António Filipe, a artista plástica Ana Vieira. Depois de Nicolau Breyner, já este mês, morreu o encenador e argumentista Francisco Nicholson.

Será que esta "onda" de mortes de celebridades é apenas uma "sensação" nossa ou é mesmo verdadeira? Sim, é real, responde o editor de obituários da BBC, Nick Serpell. O jornalista é o responsável pelos obituários da televisão, radio e site da BBC, sempre a morte de alguém "notável" é confirmada. E confirma que no primeiro trimestre de 2016 já se fez o dobro dos obituários que tinham sido feitos no primeiro trimestre do ano passado. De acordo com as estatísticas da sua secção, no primeiro trimestre de 2012 a BBC produziu 5 obituários. Em 2013 foram 8. No ano seguinte o número passou para 11. Nos primeiros três meses de 2015 houve 12 obituários na BBC. E este ano já vamos em 24.

A BBC quis perceber se este seria um fenómeno particular ou se acontecia nos outros meios de comunicação e foi ver a galeria de mortos do mundo da cultura no site do Daily Telegraph. Até ao final de abril de 2014, havia 34 pessoas nesta galeria. Este ano, o número de mortos já vai em 75.

Portanto, se é verdade que há mais pessoas famosas a morrer, a questão se coloca é: porquê?

"As pessoas que começaram a ficar famosas na década de 1960 estão agora a entrar nos seus 70 anos e começam a morrer", responde Nick Serpell. E a verdade é que, devido à profusão de meios de comunicação, "há mais pessoas famosas do que havia antes", diz. "No tempo do meu pai ou do meu avô, as únicas pessoas realmente famosas que havia eram do cinema. Não havia televisão."

E não havia internet. Hoje em dia a quantidade de pessoas, ligadas às mais variadas áreas artísticas, que conseguem o reconhecimento internacional, é inigualável. Poucas horas antes de saber da morte de Prince, o mundo chorava a morte de Chyna, uma antiga lutadora de wrestling e estrela porno, que tinha 45 anos. A sua morte deu origem mais de 400 mil tweets em todo o mundo, não apenas dos Estados Unidos mas também em países como a Nigéria ou o Peru. Há 20 anos seria impensável que a morte de uma lutadora de wrestling americana pudesse suscitar o interesse de alguém no outro canto do mundo, apenas algumas horas de ter acontecido.

Esta é uma tendência que vai continuar? Nick Serpell acredita que sim. "Nos próximos dez anos, as pessoas desta geração vão continuar a envelhecer e entrar nos seus 80 anos. Isto sem contar com as mortes inesperadas, das pessoas mais novas."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.