Estão a recuperar o jardim dos ananases

Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz está a ser recuperado e estará pronto no primeiro semestre de 2016. Foi aqui que foram cultivados os primeiros ananases de Portugal.

A recuperação das quatro estufas do Jardim Botânico, onde chegou a funcionar a Escola de Arte Equestre, é um dos propósitos das obras que estão a ser levadas a cabo no Palácio Nacional de Queluz, que em 2015 voltou a ser azul.

O projeto inclui a reposição do lago central, o restauro e conservação dos alegretes, incluindo o seu revestimento azulejar, e outros elementos arquitetónicos, o tratamento dos pavimentos e uma nova rede de infraestruturas assim como a plantação da coleção botânica, de acordo com a Parques de Sintra, que administra este monumento.

A intervenção no Jardim Botânico começou com uma investigação histórica em 2013, com um levantamento documental e iconográfico de todas as estruturas do jardim, culminando com a identificação da coleção botânica original.

As quatro estufas, onde se cultivavam ananases a partir do século XVIII, serão reconstruídas a partir das cantarias originais e da informação histórica disponível

Os ananases, espécie exótica e colecionável, eram um motivo de grande orgulho da Casa Real Portuguesa. Tão importantes que marcam presença nos elementos decorativos da cantaria e do revestimento azulejar do interior do Palácio.

As obras deverão estar concluídas no primeiro semestre de 2016 e o local manter-se-á aberto para que os visitantes acompanhem os progressos.

A empresa Parques de Sintra prevê recuperar em breve o Jardim de Malta, o bosquete e a Cascata.

Exclusivos